Boas-vindas

Caro visitante,
A proposta do Blog da Governança é estimular o livre debate em torno de tópicos atuais relacionados com o tema Governança Corporativa.
Fiel ao compromisso com a transparência, o espaço independente (sem patrocínios ou monetização digital) pretende também funcionar como um fórum de estímulo ao ativismo societário (ou ativismo participativo), com foco na regulação para as empresas de capital aberto.

2 de dezembro de 2022

Código das Melhores Práticas de Governança Corporativa: revisão em Audiência Pública.


O Código de Melhores Práticas de Governança Corporativa do IBGC, uma referência sobre o tema, passará por uma revisão e o IBGC receberá sugestões até o dia 31/1/23 (veja mais no link https://www.ibgc.org.br/destaques/audiencia-publica).


Pena que os grandes investidores, que deveriam aplicar com afinco os princípios e fomentar a propagação das boas práticas, negligenciem logo o 1º tópico do documento: “Por onde começamos - Ética como fundamento da governança corporativa”.


Cegueira deliberada? Ninguém vê que várias empresas listadas no Brasil foram vítimas de fraudes comandadas por acionistas majoritários e operacionalizadas por executivos “cordeirinhos”? E que o dinheiro desviado foi direcionado para o pagamento de propinas para políticos, como o famoso “Caranguejo”?


Será que a busca por rentabilidade torna esses investidores cegos, fazendo com que essas empresas continuem nos índices de liquidez da B3? Ninguém viu que: (i) a pujante petroquímica, verdadeiro poço de degradação moral, pagou nos EUA uma multa “parruda” (US$ 632 milhões) e o ex CEO foi em cana; (ii) a famigerada farmacêutica pagou R$ 110 milhões em acordo de leniência (ou saliência?) e ficou tudo limpinho de novo; (iii) a empresa aérea, figurinha repetida quando se pensa em controlador-trator-usurpador, pagou US$ 41,5 milhões lá fora, mas aqui deve fazer um acordinho com o Xerife, ou seja, nenhum acionista controlador será inabilitado; (iv) o controlador da empresa de concessões pagou R$ 235 milhões e a empresa, vítima desses abutres, pagou R$ 81,5 milhões.


É ético investir recursos de terceiros em empresas com controladores com essas fichas corridas?


Alguém compraria um carro usado de uma loja cujo dono já foi condenado por adulterar velocímetros?


Cadê o dever de fidúcia?


Abraços a todos,

Renato Chaves  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro visitante, apesar da ferramenta de postagem permitir o perfil "comentário anônimo", o ideal é que seja feita a identificação pelo menos com o 1º nome. A postagem não é automática, pois é feita uma avaliação para evitar spams. Agradeço desde já a sua compreensão.