Boas-vindas

Caro visitante,
A proposta do Blog da Governança é estimular o livre debate em torno de tópicos atuais relacionados com o tema Governança Corporativa.
Fiel ao compromisso com a transparência, o espaço independente (sem patrocínios ou monetização digital) pretende também funcionar como um fórum de estímulo ao ativismo societário (ou ativismo participativo), com foco na regulação para as empresas de capital aberto.

25 de setembro de 2021

Remuneração de Administradores: um tabu no Brasil.

 

A última postagem do Blog (dia 17/9/21 no link https://www.blogdagovernanca.com/2021/09/remuneracao-de-presidentes-de-conselhos.html), que revela diferenças absurdas entre conselheiros de administração nas empresas integrantes do Ibovespa, está dando pano para manga.


Recebi ligações, mensagens de Whatspp e e-mails com considerações diversas.


Por alguns sou visto como implicante, que tem bronca genérica com as remunerações pagas.


Outros amigos/leitores entendem que o assunto deve ser debatido com mais atenção.


Pois bem meus queridos leitores, o que eu busco é ligar o holofote sobre os conjuntos de valores pagos, de uma forma organizada, em uma só planilha. Penso que, com isso, os investidores teriam condições de comparar e, eventualmente, identificar grandes discrepâncias.


Teve gente que me avisou que a empresa remunera diferentemente seus conselheiros por conta das participações em comitês (no caso temos R$ 407 mil/ano x R$ 2,8 milhões/ano – “somente” 606% de diferença !!!); outro me ligou mencionando que o exercício de opções de compra de ações geraram essa diferença (de “somente” 71.050%). Teve ainda empresa alegando que essa situação (remuneração em ações) se trata de estimativa contábil, sem saída de caixa no ano.


“Tá legal eu aceito o argumento, mas não me altere tanto o samba assim”, já dizia Paulinho da Viola em “Argumento”; mas quando a maior fatia do bolo fica com o presidente do conselho, que também é sócio controlador, como fica?


Em recente contato com advogados de uma das maiores bancas do País me perguntaram como fazer para mitigar esse conflito de interesses; entendo que a distribuição da verba global, feita pelos conselhos de administração, deveria passar por um comitê de remuneração, que teria obrigatoriamente a maioria de seus membros “independentes”. A opinião desse comitê seria mandatória, sob pena de vermos prevalecer a máxima “farinha pouca meu pirão primeiro”.


Por fim, para quem gosta desse tipo de levantamento, vem aí um trabalho sobre a remuneração dos CEOs em tempos de pandemia. Nitroglicerina pura.


Abraços fraternos,

Renato Chaves

 

P.S.: por motivos técnicos na ferramenta que uso para gerenciar o Blog vários comentários de leitores deixaram de ser publicados no tempo certo. Peço desculpas; uma vez identificado o problema respondi a todos.

17 de setembro de 2021

Remuneração de presidentes de conselhos de administração: falta bom-senso, sobra conflito de interesses.

 


O levantamento que fiz nos Formulários de Referência das empresas que compõem o Ibovespa, publicada parcialmente no artigo da jornalista Juliana Schincariol no jornal Valor do dia 13/9/21 (https://valor.globo.com/carreira/noticia/2021/09/13/por-que-remuneracoes-em-conselhos-variam-ate-70-000.ghtml), está dando o que falar.


Qual a diferença razoável entre a remuneração do presidente do conselho de administração e os demais conselheiros? 50%? 75%? 100%? Que tal 8.733%? É pouco? O que dizer então de 71.050%? Vejam a tabela (item 13.11 dos formulários de referência de empresas integrantes do Ibovespa – data-base 03/8/21) e reparem que a grande maioria das empresas apresenta variações acima de 100% (em amarelo - as variações acima de 100%; em laranja - variações acima de 1.000%).


Uma perguntinha inconveniente: esses agraciados presidentes de conselho votam na distribuição da verba global? Será que gritam “farinha pouca meu pirão primeiro” antes de proferirem seus votos? Não existe conflito de interesse a ser investigado pelo Xerife?


Mas eles estão reconhecendo as opções de ações que foram exercidas no período, estimativa contábil que não representa saída de caixa, dirão alguns DRIs. Ok, então abram mão desses “valores estimados”.


Fato é que temos por aqui a figura do conselheiro de 2ª categoria, cabendo aos grandes investidores cobrar explicações. Só espero que os DRIs não venham com aquela conversinha que a remuneração guarda relação direta com a responsabilidade do cargo: perante a lei os conselheiros são todos iguais.


Como diz o grande Lulu Santos “assim caminha a humanidade, com passos de formiga e sem vontade”.

 

 

MENOR

MAIOR

AMBEV S/A

298.612,80

7.895.479,83

2544%

AZUL

21.000,00

8.911.031,00

42333%

B3

1.155.912,00

4.088.090,00

254%

BCO BRASIL

71.072,26

71.079,18

0,01%

BRADESCO

5.205.000,00

8.103.000,00

56%

BBSEGURIDADE

70.881,60

70.881,60

0%

MINERVA

360.000,00

535.281,91

49%

BTGP BANCO

324.793,75

4.800.000,00

1378%

BRADESPAR

120.000,00

120.000,00

0%

PETROBRAS DISTR

1.080.000,00

1.466.682,64

36%

BRF SA

480.000,00

12.878.285,10

2583%

BRASKEM

660.000,00

2.100.000,00

218%

BR MALLS PAR

253.289,30

770.855,76

204%

B2W DIGITAL

180.000,00

180.000,00

0%

CCR SA

583.798,22

722.230,07

24%

CIELO

84.000,00

676.800,00

706%

CEMIG

250.919,24

309.828,44

23%

COGNA ON

209.719,11

1.011.011,36

382%

CPFL ENERGIA

196.000,00

329.000,00

68%

COPEL

158.262,24

280.105,40

77%

CARREFOUR BR

695.100,00

755.100,00

9%

COSAN

259.200,00

1.628.000,00

528%

SID NACIONAL

216.000,00

216.000,00

0%

CVC BRASIL

335.900,00

548.800,00

63%

CYRELA REALT

384.533,28

3.370.701,00

777%

ECORODOVIAS INFRA

293.092,70

579.552,46

98%

ENGIE BRASIL

138.587,02

2.193.509,56

1483%

ELETROBRAS

65.284,32

78.341,16

20%

EMBRAER

296.851,00

1.918.125,00

546%

ENERGIAS BR

18.288,00

459.600,00

2413%

ENEVA

396.000,00

34.977.241,66

8733%

ENERGISA

54.127,67

238.671,54

341%

EQUATORIAL

418.677,54

1.433.136,42

242%

EZTEC

86.400,00

352.800,00

308%

FLEURY

541.043,00

1.133.150,00

109%

GERDAU

549.881,00

10.545.919,00

1818%

INTERMEDICA

40.000,00

45.000,00

13%

GERDAU MET

90.599,00

410.063,00

353%

GOL

29.468,04

468.446,05

1490%

HAPVIDA

247.425,00

2.426.336,82

881%

CIA HERING

272,82

853,81

213%

HYPERA

432.000,00

468.000,00

8%

IGUATEMI

72.000,00

432.000,00

500%

IRBBRASIL RE

576.294,04

624.262,32

8%

ITAUSA

550.000,00

9.575.115,00

1641%

ITAUUNIBANCO

2.643.000,00

10.392.000,00

293%

JBS

558.000,00

1.224.000,00

119%

JHSF PART

10.000,00

7.114.968,86

71050%

KLABIN S/A

979.021,04

1.094.178,62

12%

LOJAS AMERIC

213.207,00

693.207,00

225%

LOCAMERICA

260.000,00

320.000,00

23%

LOJAS RENNER

524.393,32

14.903.025,74

2742%

MAGAZ LUIZA

352.800,00

1.738.800,00

393%

MARFRIG

446.400,00

2.292.234,12

413%

MRV

240.000,00

11.303.919,00

4610%

MULTIPLAN

100.000,00

500.000,00

400%

GRUPO NATURA

1.227.100,00

66.170.800,00

5292%

P.ACUCAR-CBD

216.000,00

65.944.593,42

30430%

PETROBRAS

174.437,57

174.437,57

0%

PETRORIO

45.000,00

180.000,00

300%

QUALICORP CONS

760.000,00

1.180.458,30

55%

RAIADROGASIL

648.547,00

2.071.575,00

219%

RUMO S.A.

287.917,68

5.386.386,00

1771%

LOCALIZA

1.350.000,00

5.050.500,00

274%

SANTANDER BR

762.000,00

1.802.918,40

137%

SABESP

140.400,00

234.000,00

67%

SUL AMERICA

359.316,00

1.190.710,40

231%

SUZANO S.A.

960.004,80

8.247.042,26

759%

TAESA TR ALIANÇA

199.944,00

239.932,80

20%

TIM

624.000,00

1.236.000,00

98%

TOTVS

407.616,00

2.878.838,40

606%

ULTRAPAR

720.000,00

1.800.000,00

150%

USIMINAS

300.000,00

1.097.792,16

266%

VALE

697.332,64

1.515.887,77

117%

TELEF BRASIL

469.103,93

525.396,24

12%

VIAVAREJO

608.997,60

989.402,40

62%

WEG

412.688,38

1.333.919,76

223%

YDUQS PART

756.048,78

1.397.328,78

85%

 

Abraços fraternos,

Renato Chaves