Boas-vindas

Caro visitante,
A proposta do Blog da Governança é estimular o livre debate em torno de tópicos atuais relacionados com o tema Governança Corporativa.
Fiel ao compromisso com a transparência, o espaço independente (sem patrocínios ou monetização digital) pretende também funcionar como um fórum de estímulo ao ativismo societário (ou ativismo participativo), com foco na regulação para as empresas de capital aberto.

3 de setembro de 2022

Termos de compromisso para crimes do colarinho branco: a polêmica continua.

 


Tive a oportunidade de ouvir com muita atenção os ilustres palestrantes do Seminário “Mercado de capitais: diálogos entre o direito penal e o administrativo sancionador”, promovido pela Escola de Magistrados do TRF-3ª Região (https://www.trf3.jus.br/emag/cursos-2022/mercado-de-capitais). Durante 2 dias verdadeiras feras no assunto, como os ex “xerifes” Otávio Yazbek e Henrique Machado, o procurador federal Rodrigo de Grandis, além de magistrados, atuais diretores e o Superintendente Geral da CVM, debateram com sobras de saber jurídico aquilo que aflige o nosso mercado, na minha modesta opinião: a sensação de impunidade.


Para minha surpresa e alegria ouvi da Juíza Federal Dra. Renata Andrade Lotufo o ditado que repito aqui no Blog para adjetivar o espírito dos delinquentes que praticam “insider trading”: farinha pouca meu pirão primeiro.


Sem tanta surpresa ouvi a já tradicional defesa do uso de termos de compromisso para crimes “hediondos” no mercado de capitais, como o “insider trading primário”.


Vozes contrárias ao uso indiscriminado da ferramenta, como a minha, são vistas como opiniões cheias de comoção, com pouca ou quase nenhuma fundamentação técnica, carregadas de espírito “punitivista”.


Não é de se estranhar que grandes operações de mercado, como fusões e aquisições, tragam a reboque quase sempre variações atípicas nos preços dos papéis: fica a impressão que tem sempre insider trading atuando impunimente.


E aquilo que foi dito na palestra como uma verdade – o mercado tem mais medo da CVM do que da Justiça – é desmentido pela prática.


É tão flagrante a descrença que empresas listadas estão sendo usadas até para o pagamento direto de vantagens indevidas a políticos, algo que sempre foi feito no submundo corporativo, com inúmeros contratos distribuídos por diversas empresas de capital fechado e até uso de paraísos fiscais. Recentes apurações mostram que valores vultosos foram desviados em esquemas relativamente simples (ex: uso de contratos fraudados/fictícios diretamente na empresa listada), alguns esquemas “negociados” diretamente pelos acionistas controladores, como nos casos da farmacêutica (desvio de mais de R$ 100 milhões e processo encerrado com um terminho de compromisso de pouco mais de R$ 10 milhões, sem inabilitação é claro), da companhia aérea (termo de compromisso no forno), da petroquímica (algum administrador baiano inabilitado?) e da concessionária (cadê o Processo Administrativo Sancionador?).


Resumindo, para todo crime pode até existir uma acusação, mas com bons advogados e um cheque na mão tudo termina como na música de Baby Consuelo “sem pecado e sem juízo” e com um termo de compromisso.


Abraços fraternos,

Renato Chaves 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro visitante, apesar da ferramenta de postagem permitir o perfil "comentário anônimo", o ideal é que seja feita a identificação pelo menos com o 1º nome. A postagem não é automática, pois é feita uma avaliação para evitar spams. Agradeço desde já a sua compreensão.