Boas-vindas

Caro visitante,
A proposta do Blog da Governança é estimular o livre debate em torno de tópicos atuais relacionados com o tema Governança Corporativa.
Fiel ao compromisso com a transparência, o espaço independente (sem patrocínios ou monetização digital) pretende também funcionar como um fórum de estímulo ao ativismo societário (ou ativismo participativo), com foco na regulação para as empresas de capital aberto.

30 de setembro de 2022

Fraudes corporativas e o poder do jornalismo investigativo.

 


Terminei fascinado a leitura do livro “Bad blood – fraude bilionária no Vale do Silício”, do jornalista John Carreyrou (Alta Books Editora). O cara é fera, ganhador por duas vezes do Prêmio Pulitzer dentre outras premiações.


Eis alguns “temperos” para criar uma grande fraude (a empresa chegou a valer US$ 9 bilhões antes de falir):


·        O carisma do CEO – segundo o autor, a criadora da Theranos, Elizabeth Holmes, “emitia uma campo de distorção da realidade que forçava as pessoas a momentaneamente suspenderem a sua descrença”. Chegou a ser comparada por seu antigo professor em Stanford a Newton, Einstein, Mozart e Leonardo da Vinci;

·        Monte um conselho de figurões. Eram “homens de reputação ilibada e heroica”: ex-secretário de Estado e do Tesouro norte-americano George Shultz, ex-secretário de Estado dos EUA Henry Kissinger, ex-secretário de Defesa dos EUA William Perry, ex-diretor da Comissão dos Serviços do Exército no Senado Sam Nunn e o ex-almirante da Marinha Gary Rougehead. Conselho de notáveis e de “fachada”, pois segundo o conselheiro Schultz “nunca votamos nada na Theranos. Era inútil”;

·        Minta descaradamente nas projeções: investidores acostumados a juros de 1% a.a. adoram. Em 2014 a Partner Fund pagou US$ 17 por ação, US$ 2,00 a mais por ação que o Grupo Lucas Venture pagou 4 meses antes. “Mal sabiam eles que Sunny (o “mentor/cumplice” da CEO) inventara todos esses números do nada”;

·        Adote a ação com Superpoderes, tão defendida aqui por alguns estrelados “liberais”. No caso em questão a CEO trambiqueira aprovou uma resolução que garantia 100 votos para cada ação que ela possuía, ficando com 99,7% dos direitos de voto.


Abraços fraternos,

Renato Chaves 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro visitante, apesar da ferramenta de postagem permitir o perfil "comentário anônimo", o ideal é que seja feita a identificação pelo menos com o 1º nome. A postagem não é automática, pois é feita uma avaliação para evitar spams. Agradeço desde já a sua compreensão.