Boas-vindas

Caro visitante,
A proposta do Blog da Governança é estimular o livre debate em torno de tópicos atuais relacionados com o tema Governança Corporativa.
Fiel ao compromisso com a transparência, o espaço independente (sem patrocínios ou monetização digital) pretende também funcionar como um fórum de estímulo ao ativismo societário (ou ativismo participativo), com foco na regulação para as empresas de capital aberto.

9 de janeiro de 2022

Enjoei. E não foi com a rabanada da Tia Maria. Nem crustáceo.

 

Encerrei 2021 com um tema enjoado (Números indecentes – https://www.blogdagovernanca.com/2021/12/numeros-indecentes.html) e começo 2022 com o mesmo tema.


Já repararam que antes de uma oferta pública de ações, especialmente nas ofertas iniciais, temos uma verdadeira bonança nos números? Projeção de crescimento de 700% é considerada tímida, afinal planilha aceita qualquer desaforo. Mas e a bonança nos bolsos dos executivos? Já repararam?


Dá até para ficar enjoado. E a culpa não é das festas de final de ano. Já sei, vai ter DRI explicando que tem pacote de ações, que isso não representa dinheiro no bolso. Falam isso na cara dura, sequer ficam de bochechas rubras. “Então tá”, digo eu, oferecendo a minha conta na custódia da B3 para livrá-los desse “peso”.


Ao analisar mais de 25 formulários de referência de empresas estreantes na Bolsa, que fizeram ofertas de ações nos últimos 2 anos, observei um padrão: a remuneração de diretores em 2020 sempre ficou na casa do “zero-vírgula” sobre a receita líquida, nunca passando de 1%.


Mas eis que algumas empresas fugiram muito desse padrão. Pergunto se os investidores viram isso?

 

EMPRESA

Receita Líquida

REMUNERAÇÃO DIRETORIA

%

ENJOEI

79.607.000,00

16.047.077,41

20,2%

GETNINJAS

41.806.000,00

1.345.291,39

3,2%

DOTZ

111.006.000,00

3.616.862,28

3,3%

ONCOCLINICAS

2.035.191.000,00

96.978.556,70

4,8%

BEMOBI

171.546.000,00

4.916.535,35

2,9%

ELETROMIDIA

296.264.000,00

16.688.681,32

5,6%


O caso Raízen S.A. não se enquadra nessa situação, já que a remuneração dos administradores (conselho de administração e diretoria – não tem conselho fiscal) fica em 0,1% da receita líquida, mas como a receita é bilionária (mais de R$ 114 bilhões em 2020) a “bufunfa” recebida chamou a atenção: R$ 37,8 milhões para a diretoria e inacreditáveis R$ 56,5 milhões para o Conselho de Administração (período entre 04/2020 a 03/2021). Para o período de abril/21 a março/22 os números aumentam de forma a encabular Geni, o Zepelim e quem vier: R$ 70,9 milhões para o iluminado Conselho e R$ 58 milhões para a diretoria. Remuneração com alta octanagem !!! Uma farra tão bizarra que rendeu uma matéria interessante no Brazil Journal (https://braziljournal.com/o-contrato-do-binho).


E 2022 começa com duas certezas: as geleiras e nevados continuarão a derreter na Cordilheira dos Andes e a remuneração dos iluminados executivos/conselheiros continuará a crescer – cada um com o seu Everest particular. Haja comprimido de bromoprida-10 mg antes de batucar uma planilha.


Abraços fraternos,

Renato Chaves

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro visitante, apesar da ferramenta de postagem permitir o perfil "comentário anônimo", o ideal é que seja feita a identificação pelo menos com o 1º nome. A postagem não é automática, pois é feita uma avaliação para evitar spams. Agradeço desde já a sua compreensão.