Boas-vindas

Caro visitante,
A proposta do Blog da Governança é estimular o livre debate em torno de tópicos atuais relacionados com o tema Governança Corporativa.
Fiel ao compromisso com a transparência, o espaço independente (sem patrocínios ou monetização digital) pretende também funcionar como um fórum de estímulo ao ativismo societário (ou ativismo participativo), com foco na regulação para as empresas de capital aberto.

1 de junho de 2018

A liminar caiu, mas a hipocrisia continua.


Mesmo após uma derrota acachapante no TRF-2 por 3x0, que julgou o mérito da famigerada “liminar IBEF” na última 4ª feira dia 23/5 com parecer favorável do Ministério Público Federal, as “grandes” empresas brasileiras afrontam a inteligência/paciência dos investidores e resistem em cumprir a norma da CVM (veja na reportagem de Juliana Schincariol no jornal Valor de 24/5 no link http://www.valor.com.br/empresas/5545969/cvm-ja-pode-exigir-divulgacao-de-remuneracao-de-executivos).

Várias delas publicaram a atualização obrigatória do Formulário de Referência na última semana de maio com o campo 13.11 sem números, alegando que reconhecem a derrota, mas que “no entanto tal decisão somente terá validade após a publicação do referido acórdão” (exemplo extraído do Formulário de Referência da Vale S.A.).

Como diria o brilhante Paulinho da Viola:

“Tá legal,
eu aceito o argumento,
mas não me altere o samba tanto assim,
olha que a rapaziada está sentindo a falta,
 de um cavaco, de um pandeiro ou de um tamborim”.

Alguns amigos advogados (acreditem, eu tenho amigos advogados...) garantem que a alegação é juridicamente válida diante do nosso arcabouço legal. Um tapa na cara dos investidores com luva de pelica, mas tudo dentro da legalidade.

Sabemos que o instituto chapa branca vai recorrer (vide matéria do jornal Valor em http://www.valor.com.br/empresas/5559155/ibef-recorre-para-manter-salarios-em-sigilo), mas enquanto isso não ocorre é “cumpra-se”.

E se a desculpa é essa tal “publicação do acórdão” vamos combinar o seguinte: no minuto seguinte à publicação vou protocolar na CVM uma solicitação para que as empresas onde sou acionista atualizem imediatamente os seus Formulários de Referência. A sociedade brasileira clama por transparência e no mercado de capitais não pode ser diferente.

Digo e repito: executivo que não aceita transparência deve pedir demissão da empresa listada e virar dono de padoca em Moema. Ou quem sabe fazendeiro em Piracicaba.

Abraços a todos,

Renato Chaves

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro visitante, apesar da ferramenta de postagem permitir o perfil "comentário anônimo", o ideal é que seja feita a identificação pelo menos com o 1º nome. A postagem não é automática, pois é feita uma avaliação para evitar spams. Agradeço desde já a sua compreensão.