Boas-vindas

Caro visitante,
A proposta do Blog da Governança é estimular o livre debate em torno de tópicos atuais relacionados com o tema Governança Corporativa.
Fiel ao compromisso com a transparência, o espaço independente (sem patrocínios ou monetização digital) pretende também funcionar como um fórum de estímulo ao ativismo societário (ou ativismo participativo), com foco na regulação para as empresas de capital aberto.

16 de julho de 2022

Assembleias no metaverso*: espalhando a mediocridade do mundo real para o mundo virtual.

 


Parece piada, mas não é. A lustrosa associação que congrega as companhias de capital aberto (também conhecida como associação brasileiras dos controladores inescrupulosos) e poderosos escritórios de advocacia (Ué, uma associação para empresas abertas com sócios pra lá de fechados? Alguém me explica....) está sugerindo ao xerife que dedique o precioso tempo de seu reduzido corpo técnico para regular a realização de assembleias no mundo virtual.


Quer dizer que o famoso advogado malvado, escolhido por 9 entre cada 10 controladores abusadores, vai ter um avatar com cara de bonzinho, meigo, quase angelical, no mundo virtual? Um Darth Vader trabalhado com filtro do Photoshop? Me poupem...


Queridos controladores, o verdadeiro sistema de participação imersivo deveria ser aquele que acontece geralmente nos 4 primeiros meses do ano, quando os Administradores teriam que prestar contas de forma efetiva, fomentando a participação dos investidores em 3 momentos: (i) antes das assembleias, com um chat para perguntas/respostas; (ii) durante os encontros, que deveriam contar com a participação de todos os executivos e não somente advogados, normalmente contratados a peso de ouro, empenhados em fazer a assembleia acontecer no menor espaço de tempo possível, sem questionamentos de investidores e; (iii) ao final das assembleias, com a redação de uma ata que permita ao investidor ausente entender minimamente qual foi a dinâmica do encontro, sem redações genéricas como “aprovado por maioria”.


Abraços fraternos,

Renato Chaves



A ideia representa a possibilidade de acessar uma espécie de realidade paralela, em alguns casos ficcional, em que uma pessoa pode ter uma experiência de imersão. Tecnicamente, o metaverso não é algo real, mas busca passar uma sensação de realidade, e possui toda uma estrutura no mundo real para isso (leia mais no link https://www.cnnbrasil.com.br/business/entenda-o-que-e-o-metaverso-e-por-que-ele-pode-nao-estar-tao-distante-de-voce/).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro visitante, apesar da ferramenta de postagem permitir o perfil "comentário anônimo", o ideal é que seja feita a identificação pelo menos com o 1º nome. A postagem não é automática, pois é feita uma avaliação para evitar spams. Agradeço desde já a sua compreensão.