Boas-vindas

Caro visitante,
A proposta do Blog da Governança é estimular o livre debate em torno de tópicos atuais relacionados com o tema Governança Corporativa.
Fiel ao compromisso com a transparência, o espaço independente (sem patrocínios ou monetização digital) pretende também funcionar como um fórum de estímulo ao ativismo societário (ou ativismo participativo), com foco na regulação para as empresas de capital aberto.

28 de março de 2021

Controladores temem a luz do sol e água sanitária.

 

Firme no seu propósito de manter o nosso mercado de capitais com o arcabouço regulatório do século passado, a poderosa Abrasconi (Associação Brasileira de Controladores Inescrupulosos – contem traços de ironia) e seus fiéis escudeiros (advogados regiamente remunerados pelas empresas “associadas”, diga-se de passagem) lutam bravamente para boicotar os importantes avanços na ICVM480 (audiência pública CVM-SDM 09/20 disponível em http://conteudo.cvm.gov.br/audiencias_publicas/ap_sdm/2020/sdm0920.html).


Mais um grupo que vive em outro mundo.


Não cheguei a contar a quantidade de vezes que a impoluta associação usou a expressão “em que pese a louvável intenção de aprimorar a divulgação de informações” na sua rebuscada carta de “contribuições” de 24 páginas, mas certamente ao afirmar que a inclusão da obrigação de informar a razão entre a maior remuneração e a remuneração mediana dos funcionários da companhia (itens 14.3.d do Quadro Comparativo e 10.3.d da Minuta) tem pouco valor para o investidor os discípulos de Darth Vader buscaram a superação eterna e o reconhecimento, pelo mercado, de que suas “contribuições” não merecem um pingo de tinta de uma caneta BIC e muito menos um jato de tinta da minha impressora HP. Reforçam ainda uma desconfiança: acionistas controladores pensam que todos os investidores são idiotas (todas as contribuições recebidas pela CVM podem ser consultadas no link http://conteudo.cvm.gov.br/audiencias_publicas/ap_sdm/2020/sdm0920.html).


Sobre a inclusão da obrigação do emissor informar a composição, em termos raciais e de gênero, dos órgãos da administração e do conselho fiscal (itens 12.1.d do Quadro Comparativo e 7.1.d da Minuta) o texto da associação tem a pachorra de criticar a proposta da CVM com uma justificativa risível: “a falta de critérios para identificação das informações que deverão ser prestadas, bem como que tais informações têm caráter eminentemente privado”. Caráter privado né? Querido controlador, não quer prestar informações fecha o capital e abre uma padoca na Vila Mariana ...


Pergunto em que mundo esses controladores vivem? Que livros e jornais leem? Que bebidas bebem? Que carros dirigem?  Que séries assistem? Que cigarros fumam? iPhone ou Samsung? Bloomberg ou Reuters? Faria Lima ou Leblon?


Já já vai ter acionista controlador querendo comprar passagem aérea a preços promocionais. Em que pese a necessidade de mais transparência a sorrateira cara de pau ainda prevalece.


Abraços fraternos,

Renato Chaves

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro visitante, apesar da ferramenta de postagem permitir o perfil "comentário anônimo", o ideal é que seja feita a identificação pelo menos com o 1º nome. A postagem não é automática, pois é feita uma avaliação para evitar spams. Agradeço desde já a sua compreensão.