Boas-vindas

Caro visitante,
A proposta do Blog da Governança é estimular o livre debate em torno de tópicos atuais relacionados com o tema Governança Corporativa.
Fiel ao compromisso com a transparência, o espaço independente (sem patrocínios ou monetização digital) pretende também funcionar como um fórum de estímulo ao ativismo societário (ou ativismo participativo), com foco na regulação para as empresas de capital aberto.

29 de fevereiro de 2020

Squadra inova com coragem.


Que as empresas brasileiras não gostam de questionamentos todos já sabem.

Não é à toa que contratam advogados ilustres para comandarem as suas assembleias, verdadeiros cães de guarda prontos para enfrentar acionistas que ousem apresentar questionamentos. Um verdadeiro exército, estilo guarda pretoriana: qualquer comparação com Darth Vader não é mera implicância. 

O que faz sucesso na Faria Lima e na Dias Ferreira são os relatórios/cartas de gestoras com as chamadas "teses de investimento", onde apresentam os fundamentos que suportam a manutenção de uma posição relevante em suas carteiras: sobram elogios ao negócio e à alta administração e faltam sinais de alerta. A cada leitura o investidor acredita que a asset descobriu a fórmula da pólvora negra.

Aí vem a Squadra e inova ao questionar, de forma contundente, as práticas contábeis de uma empresa queridinha do mercado (leia mais em http://www.squadrainvestimentos.com/pdf/relatorio-2019.pdf e http://www.squadrainvestimentos.com/pdf/carta-2019.pdf). São argumentos sólidos para justificar porque acreditam que o papel está "caro", deixando bem claro que "apostam" na queda, algum incomum no nosso mercado.

É proibido? Claro que não. Eles são transparentes ao afirmar que tem como filosofia a "busca por distorções significativas de preços". Será que o regulador vai meter o bedelho? A conferir. A empresa errou ao conversar reservadamente com alguns poucos investidores para questionar a asset? Entendo que sim, pois deveria fazê-lo publicamente... Boa oportunidade para perguntar: cadê os chats com investidores previstos na regra que criou o Formulário de Referência e que ninguém utiliza? Está lá no item 12.2 do Formulário a pergunta se a empresa utiliza "fóruns e páginas na rede mundial de computadores destinados a receber e compartilhar comentários dos acionistas sobras as pautas das assembleias".

Não vou entrar no mérito se os questionamentos estão corretos ou não, pois isso demandaria um tempo enorme para entender as práticas contábeis de um setor complexo e falta-me tempo nesse período de aprovação de demonstrações financeiras anuais. Nem os jogos do meu querido Glorioso tenho assistido.

Não conheço ninguém na gestora, mas o fato é que o relatório/carta é robusto e merece atenção.

Fica registrado meu singelo apoio. Ousar lutar a boa batalha não é para qualquer um, especialmente nos dias de hoje.

Última cutucada: será que o caso tem relação com a renúncia do presidente do conselho de administração? A conferir.

Abraços a todos,

Renato Chaves

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro visitante, apesar da ferramenta de postagem permitir o perfil "comentário anônimo", o ideal é que seja feita a identificação pelo menos com o 1º nome. A postagem não é automática, pois é feita uma avaliação para evitar spams. Agradeço desde já a sua compreensão.