Boas-vindas

Caro visitante,
A proposta do Blog da Governança é estimular o livre debate em torno de tópicos atuais relacionados com o tema Governança Corporativa.
Fiel ao compromisso com a transparência, o espaço independente (sem patrocínios ou monetização digital) pretende também funcionar como um fórum de estímulo ao ativismo societário (ou ativismo participativo), com foco na regulação para as empresas de capital aberto.

28 de julho de 2019

A liminar da vergonha caiu novamente.



Eu havia informado na postagem de 05/05/19 que a ação judicial impetrada pelo instituto de CFOs havia sido “ressuscitada” por uma decisão do Vice-presidente em exercício do TRF-2ª Região no último dia 24 de abril. Com uma canetada tivemos um retrocesso ao ano de 2010.

A dúvida passou a ser se as empresas depositariam os novos formulários de referência a partir de maio/19 ocultando as informações do item 13.11. Felizmente prevaleceu o bom senso e somente duas empresas de pouca expressão na bolsa usaram covardemente a “nova” proteção judicial – MRS Logística e Via Varejo (pesquisa realizada em 20/7 em mais de duas dezenas de formulários de referência).

A boa notícia é que, em novo capítulo dessa novela de quase uma década, a CVM já conseguiu reverter a decisão de 24/4. E dessa vez a decisão judicial de 22/7 foi acachapante, uma verdadeira surra jurídica, tendo o magistrado Messod Azulay Neto jogado na sarjeta os fraquíssimos e duvidosos argumentos do nobre instituto de CFOs do Rio de Janeiro (violação à privacidade e risco de sequestro): “No tocante à exposição dos diretores do IBEF ante a divulgação de suas remunerações, a premissa não é inteiramente fiel aos fatos, vez que a resolução 480/CVM em questão não divulga valores individualizados por  administradores, mas determina a divulgação dos valores mínimo, médio e máximo. Portanto, não viola o direito de privacidade dos mesmos.“ E completa com a seguinte afirmação: “Ademais, tais valores médios de suas remunerações já foram publicados, razão pela qual está reduzido o perigo de dano, considerando que o risco de sofrer violência, apresentado pelos executivos já estaria realizado, como aliás, está realizado na vida de qualquer cidadão que frequente grandes centros urbanos no país”.

Vamos ficar atentos, pois o instituto da Av. Rio Branco já avisou que vai levar essa novela até o Supremo, ou seja, teremos novidades até o longínquo ano da graça de 2030.

Abraços a todos,
Renato Chaves

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro visitante, apesar da ferramenta de postagem permitir o perfil "comentário anônimo", o ideal é que seja feita a identificação pelo menos com o 1º nome. A postagem não é automática, pois é feita uma avaliação para evitar spams. Agradeço desde já a sua compreensão.