Boas-vindas

Caro visitante,
A proposta do Blog da Governança é estimular o livre debate em torno de tópicos atuais relacionados com o tema Governança Corporativa.
Fiel ao compromisso com a transparência, o espaço pretende também funcionar como um fórum de estímulo ao ativismo societário (ou ativismo participativo), com foco na regulação para as empresas de capital aberto.

18 de agosto de 2018

Contratação de auditorias e avaliadores: pelo fim da hipocrisia.


Esses são temas que geram mais constrangimento que a chegada de uma van MB-Sprinter com 18 ex amantes de um rico industrial/conselheiro da Fiesp derramando lágrimas em um concorrido velório no requintado cemitério do Morumbi (algo bem Rodriguiano).

Sobre a questão dos avaliadores todos sabem que papel em branco aceita qualquer desaforo e que, sem regulamentação/responsabilização, as avaliações resultam em números desejados pelos contratantes, salvo raríssimas exceções. Não importa se a empresa contratada é um grande banco de investimento com sede em NY ou uma boutique com escritório na Bandeira Paulista.

Infelizmente o que mais vemos na praça são premissas fantasiosas para aumentar preço (não sei por que me lembrei da turma do Darth Vader e o caso “Micocarbono”) ou premissas fúnebres quando interessa comprar ativos a preço de banana. Pois bem, sugiro a leitura da dura carta da AMEC endereçada ao mais ilustre botafoguense da atualidade, o presidente da CVM Marcelo Barbosa (https://www.amecbrasil.org.br/cartaamecpresi-n-102018/). Como se diz na gíria dos jovens "a AMEC lacrou".

Sobre a contratação de auditorias, refletindo após anos de experiência em conselhos e a leitura das matérias do Financial Times “Em auditoria, o poder de escolha é ilusório” (publicada no jornal Valor do dia 16/8, disponível em https://www.valor.com.br/empresas/5739637/em-auditoria-o-poder-de-escolha-e-ilusorio) e “Escândalos mostram necessidade de rever regras de auditoria” (publicada no jornal Valor do dia 7/8, disponível em https://www.valor.com.br/empresas/5716671/escandalos-mostram-necessidade-de-rever-regras-de-auditoria), fiquei mais cético e passei a adotar uma postura mais dura, defendendo que se torne obrigatória a negociação da contratação dos auditores por um comitê do conselho de administração, sempre liderado por um conselheiro independente !!!

Vamos parar com a hipocrisia de delegar ao diretor financeiro a contratação daqueles que irão auditar o trabalho desse diretor (já que tudo termina em números), com uma avaliação “pra inglês ver” do trabalho pelo conselho de administração a posteriori (repito, salvo raríssimas exceções).

E nunca esqueçamos que o “princípio contábil” da sobrevivência sempre prevalece nessas situações.

Abraços a todos,

Renato Chaves

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro visitante, apesar da ferramenta de postagem permitir o perfil "comentário anônimo", o ideal é que seja feita a identificação pelo menos com o 1º nome. A postagem não é automática, pois é feita uma avaliação para evitar spams. Agradeço desde já a sua compreensão.