Boas-vindas

Caro visitante,
A proposta do Blog da Governança é estimular o livre debate em torno de tópicos atuais relacionados com o tema Governança Corporativa.
Fiel ao compromisso com a transparência, o espaço independente (sem patrocínios ou monetização digital) pretende também funcionar como um fórum de estímulo ao ativismo societário (ou ativismo participativo), com foco na regulação para as empresas de capital aberto.

1 de agosto de 2015

Liminar contra a transparência e a CVM: de que lado você está?

Nesse caso não funciona o “veja bem”... Ou se defende a transparência, o respeito à CVM e à sua atribuição legal de regular o mercado, ou prevalece o lado da sombra, da obscuridade.

Não é de se estranhar que a Abrasca, associação que reúne empresas de capital aberto e escritórios de advocacia (como é que é ??? vai entender isso...), tenha criticado a carta da AMEC. Lembrando que a referida carta sugeriu aos presidentes dos Conselhos de Administração das famosas 33 grandes empresas que usam espontaneamente a polêmica liminar que abdiquem de fazê-lo, em respeito a seus acionistas e ao mercado (carta da AMEC e resposta da Abrasca disponíveis em http://www.amecbrasil.org.br/manifestacoes/cartas-do-presidente/). Vale o ditado: de onde menos se espera, daí é que não sai nada.

Primeiramente temos que lembrar que a regra criada pela CVM não expõe nenhum CPF. Já fiz até conta aqui no Blog revelando a remuneração média com base na verba global divulgada. Segundo: quem afinal decide aderir (ou não) à grotesca liminar? O CEO, que se sente exposto, em claro conflito de interesse? E o Conselho, se cala diante do potencial conflito com o mercado?

Não dá para entender como um juiz pode cair nessa conversa mole de “respeito à privacidade” ... O CEO aparece nas capas de revistas e jornais, a remuneração média é facilmente calculada a partir da verba global divulgada (basta dividir pelo número de diretores para saber que todos recebem alguns milhões de reais por ano), nome, CPF e endereço são publicados nas atas das AGOs !!! Sr. Juiz, os executivos estão expostos pelo Porsche Panamera que dirigem, pela Azimut 40 Cruiser no Iate Clube de Santos e pela bela casa no Alto da Boa Vista, e não pela informação publicada no item 13.11 do Formulário de Referência. Por isso somente 33 das 100 maiores empresas brasileiras usam a tal liminar.

A AMEC está coberta de razão ao tentar sensibilizar os presidentes de conselhos dessa minoria de empresas que afronta a CVM, pois CEOs passam como meteoros, só restando aos conselhos preservarem a credibilidade das empresas perante os investidores.

Por fim, não custa nada lembrar a “lista das 33” está disponível na postagem do Blog de 21/3/2015 (Investidores estrangeiros prontos para reprovar pacotes de remuneração de quem usa liminar “Mandrake”).


Abraços a todos,

Renato Chaves

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro visitante, apesar da ferramenta de postagem permitir o perfil "comentário anônimo", o ideal é que seja feita a identificação pelo menos com o 1º nome. A postagem não é automática, pois é feita uma avaliação para evitar spams. Agradeço desde já a sua compreensão.