Boas-vindas

Caro visitante,
A proposta do Blog da Governança é estimular o livre debate em torno de tópicos atuais relacionados com o tema Governança Corporativa.
Fiel ao compromisso com a transparência, o espaço independente (sem patrocínios ou monetização digital) pretende também funcionar como um fórum de estímulo ao ativismo societário (ou ativismo participativo), com foco na regulação para as empresas de capital aberto.

8 de agosto de 2015

A carapuça serviu para os controladores.

A polêmica criada a partir de um artigo da AMEC, publicado na Revista RI – Relações com Investidores nº 193 sobre as razões que levam o nosso mercado a ser tão insignificante, merece a reflexão de ativistas e fomentadores das boas práticas de governança.

De um lado a AMEC defende a idéia de que o desenvolvimento da bolsa em nosso País é prejudicado pelos inúmeros casos de tratamentos não-equitativos entre acionistas controladores e minoritários e não por questões macroeconômicas, como a retração do PIB.

Do outro lado, diametralmente oposto, está a Abrasca, que por meio de carta endereçada à mesma Revista RI (publicada na edição nº 195) baixou o nível, usando até de ironia para defender com unhas e dentes a idéia que o nosso mercado é pífio por culpa de variáveis macroeconômicas. Santos controladores....

Estou do lado da AMEC. Isso porque o nosso mercado não transmite confiança. “Mexer” com ações, na visão geral do público potencialmente investidor, é coisa de gente que sabe especular, fica atento às “jogadas” que surgem.

Se até mesmo os gurus do mundo corporativo brasileiro, daqueles que “sonham grande”, já foram pegos com a boca na botija !!! Mas nada que R$ 15 milhões em um Termo de Compromisso não consiga engavetar (vide PAS 21/2005).

No momento que se discute mudar alterar as regras de penalizações (Penalizações e responsabilidade de agentes do mercado estão em debate – jornal Valor de 14/7), fica a provocação: de que adianta ameaçar com uma multa maior se os infratores, quando são flagrados, assinam um termo de compromisso que encerra o processo sem julgamento? A sensação de impunidade fica na mente de todos, pois convenhamos que só aceita pagar R$ 5 milhões em um termo de compromisso para se livrar de uma potencial multa de R$ 500 mil quem carrega nas costas a certeza da culpa. Resumindo: o tal enforcement existe e o martelo corretivo se chama “inabilitação”, ferramenta muito pouco usada pela CVM.

Provocação 2: como a poderosa associação explica o crescimento no volume de reclamações contra controladores e administradores, de 5,9% em 2012 para 15,8% do total de processos abertos em 2014 (matéria no jornal Valor de 03/8)?

Por fim, vale lembrar que “do lado de lá” estão gestores de recursos experientes, que administram bilhões e bilhões de reais de terceiros. Gente séria e bem preparada que não pode ser acusada de promover “arroubos críticos juvenis desprovidos de fundamento”.

Abraços a todos,
Renato Chaves


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro visitante, apesar da ferramenta de postagem permitir o perfil "comentário anônimo", o ideal é que seja feita a identificação pelo menos com o 1º nome. A postagem não é automática, pois é feita uma avaliação para evitar spams. Agradeço desde já a sua compreensão.