Boas-vindas

Caro visitante,
A proposta do Blog da Governança é estimular o livre debate em torno de tópicos atuais relacionados com o tema Governança Corporativa.
Fiel ao compromisso com a transparência, o espaço independente (sem patrocínios ou monetização digital) pretende também funcionar como um fórum de estímulo ao ativismo societário (ou ativismo participativo), com foco na regulação para as empresas de capital aberto.

27 de maio de 2022

Contrato de royalty com controlador: a impunidade que envergonha.

 


Porteira aberta no mercado de capitais. Acredite se quiser, para o colegiado da CVM a acusação formulada pela SEP contra conselheiros de administração de uma tradicional empresa listada foi infundada*, já que a cobrança de royalty pelo uso do pomposo nome da família era feita desde 1997 e nunca houve reclamação. Seria assim um mau uso do conceito “Supervisão Baseada em Risco”.      


A mediocridade passeia pela Rua Sete de Setembro: sempre foi assim, quer que eu faça o que? Se o problema era o nome que tal mudar para Papelex? Celulex? Ou ainda Papelin ou Celulin, para manter a sonoridade com o nome atual? Visitei o site da companhia e não achei um único produto com o nome da nobre família. Pelo jeito os acionistas estão pagando pela placa na porta da sede da Cia.


Sobre o conceito que envolve a cobrança descarada de royalty por uso de um nome fico com a opinião do ex Presidente da Autarquia José Luiz Osório, no PAS CVM nº RJ2001/49772: “contratos desse tipo, que obrigam a companhia ao pagamento ao controlador, seja direto ou indireto, a título de royalties, de um percentual calculado sobre o seu faturamento, e não do lucro efetivamente obtido, contêm um vício, na medida em que essa remuneração independe dos esforços do controlador, ou de quem quer que seja, no sentido de tornar e manter lucrativa a empresa controlada, mas depende apenas da circunstância de estar a empresa em funcionamento”.


Parece que a visão de Darth Vader domina as confabulações no gabinete dos xerifes tupiniquins.


Abraços fraternos,

Renato Chaves

 * De acordo com a SEP, os membros do conselho de administração da Companhia não teriam empregado a diligência necessária na análise da conveniência quanto à manutenção dos termos do Contrato de Licenciamento, em infração ao art. 153 da LSA. 23. Para a Acusação, uma vez que o Contrato de Licenciamento “não possui período de vigência [...], ao não rever as condições do contrato, a Administração continuamente toma a decisão de manter estas condições”. Ressaltou, nesse sentido, que a relevância financeira da avença e o fato de seus beneficiários serem controladores da Companhia impunham um “tratamento diferenciado em relação aos demais contratos rotineiros da Companhia”..... Na visão da Acusação, por ser o Contrato de Licenciamento material e não ter sido submetido à aprovação dos acionistas, deveria ser “exigido um tratamento diferenciado em relação aos demais contratos rotineiros da Companhia” e caberia aos Conselheiros “adotar medidas voltadas ao contínuo acompanhamento, não apenas da execução do contrato, como da conveniência e oportunidade de manutenção de suas condições ao longo do tempo”.

2 comentários:

  1. E quanto ao imigrante espanhol que também cobra royalties pelo uso do tradicional nome?

    ResponderExcluir
  2. Caro leitor,
    No caso da empresa espanhola foi apresentada uma justificativa mensurável: eventuais ganhos por participar de compras mundiais e empréstimos com taxas externas mais atraentes. Questionável, mas bem diferente de pagar pelo bonito nome nas caixas de papelão ondulado.

    ResponderExcluir

Caro visitante, apesar da ferramenta de postagem permitir o perfil "comentário anônimo", o ideal é que seja feita a identificação pelo menos com o 1º nome. A postagem não é automática, pois é feita uma avaliação para evitar spams. Agradeço desde já a sua compreensão.