Boas-vindas

Caro visitante,
A proposta do Blog da Governança é estimular o livre debate em torno de tópicos atuais relacionados com o tema Governança Corporativa.
Fiel ao compromisso com a transparência, o espaço independente (sem patrocínios ou monetização digital) pretende também funcionar como um fórum de estímulo ao ativismo societário (ou ativismo participativo), com foco na regulação para as empresas de capital aberto.

6 de novembro de 2021

Está cada vez mais difícil explicar o mercado de capitais brasileiro.

 


Como explicar para um investidor estrangeiro que temos acionista controlador processando a empresa controlada? Tendo a corrupção como origem do caso, os valentes irmãos-controladores querem ser ressarcidos pelos gastos que tiveram com multas originadas em delação premiada. Ou seja, usaram a empresa para corromper e agora alegam que o ganho foi de todos os acionistas. Vamos dizer que nos pastos e no Congresso Nacional vale tudo?


E como explicar que um grupo é considerado inidôneo para contratar com o Estado do Paraná em um dia (28/10), no dia seguinte (29/10) ganha a concessão para explorar a estrada mais importante do país? A decisão no Paraná foi algo isolado, dirão os sábios doutores de plantão, mas o carimbo de empresa corruptora está lá, com direito a delação premiada e até fato relevante !!!


Acreditem, tem ex executivo de empresa listada que admite ter liderado um esquema que pagou US$ 250 milhões em propinas, foi condenado a 20 meses de detenção nos EUA, além de multa de US$ 2,2 milhões, mas não está inabilitado pelo nosso xerife. Como explica isso? Por essa e outras, como o uso de termos de compromisso para “engavetar” infrações graves (especialmente insider trading), é que o xerife vira chacota no mercado. Nos grupos de Whatsapp que discutem governança corporativa tem até meme com a figura de um xerife dormindo, visão também da jornalista Adriana Fernandes, que na sua coluna de 04/11/21 no jornal Estado de SP, afirma que a CVM “nunca teve dentes para morder. Mas agora não se dá nem ao trabalho de rosnar (https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,adriana-fernandes-cvm-jair-bolsonaro-privatizacao-petrobras,70003888751).”


Vamos falar de sustentabilidade... Como explicar que uma empresa envolvida em esquemas de corrupção (com parágrafo de ênfase dos auditores externos), e com provisões de R$ 9,2 milhões para futuras indenizações decorrentes de acidente geológico (com registro do tema como PAA - principais assuntos de auditoria), é convidada pela B3 a responder o questionário para definição do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE)?


E a transparência? Como explicar que as empresas brasileiras, de forma sorrateira, brigaram indiretamente contra o regulador na Justiça por anos para evitar a divulgação das remunerações mínima, média e máximas de seus Administradores?


Por fim, como explicar o amém do regulador para voto em conflito de interesses acachapante, permitindo o voto de executivos em assembleia para deliberar um contrato que previa pagamentos milionários para os próprios bolsos?


Como diria o ilustre pernambucano Lenine “às vezes parece até que a gente deu um nó” (na letra de “Hoje eu quero sair só”).


Abraços fraternos,

Renato Chaves

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro visitante, apesar da ferramenta de postagem permitir o perfil "comentário anônimo", o ideal é que seja feita a identificação pelo menos com o 1º nome. A postagem não é automática, pois é feita uma avaliação para evitar spams. Agradeço desde já a sua compreensão.