Boas-vindas

Caro visitante,
A proposta do Blog da Governança é estimular o livre debate em torno de tópicos atuais relacionados com o tema Governança Corporativa.
Fiel ao compromisso com a transparência, o espaço independente (sem patrocínios ou monetização digital) pretende também funcionar como um fórum de estímulo ao ativismo societário (ou ativismo participativo), com foco na regulação para as empresas de capital aberto.

7 de junho de 2014

Insider: a cara de pau não tem limite.



Por essa e outras que os termos de compromisso para infrações graves tem que ser proibidos.

Imaginem um cidadão que nunca investiu em ações.

Segundo consta de processo disponibilizado na página da CVM o indivíduo “cadastrou-se na corretora no mesmo dia em que realizou seu primeiro negócio no mercado de ações”. Depois adquiriu “9.311 ações ordinárias de emissão da Araucária (nome fictício da Cia) em 19.01.09 e vendeu 9.300 no dia 21.01.09, obtendo o lucro de R$ 64.790,00”, sendo que “a compra ocorreu um dia antes da divulgação de fato relevante e a venda um dia após”. Mais um “batom na cueca”: foi o primeiro e único negócio realizado no mercado pelo investidor.

E para piorar a situação do “ingênuo” investidor, ele “mantinha relações interpessoais com outros investigados que também negociaram as mesmas ações no dia 19.01.09, inclusive em horários muito próximos.”

E depois disso tudo – como diz a CVM “os fatos apurados encerram um conjunto sério, forte e convergente de indícios que conduzem à conclusão de que o acusado negociou ações ordinárias de emissão da “Araucária” motivado pelo conhecimento antecipado e privilegiado de informações ainda não divulgadas ao mercado com a intenção de obter vantagens, desvirtuando não apenas o regular funcionamento do mercado de capitais como também a sua credibilidade” – o ladrão de galinhas tem o desplante, a desfaçatez de propor um termo de compromisso de R$ 5 mil (!!!). Isso mesmo, singelos R$ 5 mil.

Ora pois, se a CVM não inabilitar um sujeitinho desses de forma exemplar vira bagunça. Pelo menos 5 anos de geladeira, para servir de exemplo para o mercado.

Mas será que o termo de compromisso seria aceito se o valor fosse superior? Quem sabe o dobro do lucro auferido? Para evitar tais situações é que a Câmara dos Deputados tem que analisar o Projeto de Lei 1851/2011, do deputado carioca Chico Alencar, que restringe o uso de termo de compromissos, não permitindo o uso da ferramenta para infrações graves.

E CVM: pau neles !!! Sem dó nem piedade.

Abraços a todos,
Renato Chaves

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro visitante, apesar da ferramenta de postagem permitir o perfil "comentário anônimo", o ideal é que seja feita a identificação pelo menos com o 1º nome. A postagem não é automática, pois é feita uma avaliação para evitar spams. Agradeço desde já a sua compreensão.