Boas-vindas

Caro visitante,
A proposta do Blog da Governança é estimular o livre debate em torno de tópicos atuais relacionados com o tema Governança Corporativa.
Fiel ao compromisso com a transparência, o espaço independente (sem patrocínios ou monetização digital) pretende também funcionar como um fórum de estímulo ao ativismo societário (ou ativismo participativo), com foco na regulação para as empresas de capital aberto.

25 de agosto de 2012

A falta que faz uma Política de Negociação de Ações ....

Vivendo e aprendendo: mais um Termo de Compromisso, desses de alguns milhares de reais, e fica a impressão de que os Administradores estão “se lixando” para possíveis sanções da CVM, principalmente quando a empresa não adota uma política de negociação de ações para regular as negociações. Como bons jogadores a turma paga pra ver, na lógica do “vale tudo”, como diria o saudoso Tim Maia.
Um caso recente é no mínimo curioso: um presidente de Cia. aberta (e do Novo Mercado hein), também presidente do Conselho de Administração e controlador (seria um investigado triplamente qualificado?), negocia ações na 1ª meia hora de pregão em volume considerável (mais de R$ 83 milhões contra uma média diária de R$ 12 milhões), menos de um mês antes da empresa fechar um contrato de aquisição de R$ 2,5 bilhões do seu principal “insumo” (isso mesmo BILHÕES não é erro de digitação); esse valor correspondia a aproximadamente 212,5% do patrimônio líquido, 114% do ativo total e mais de 200% do valor da compra do ano anterior !!! Pode não divulgar Fato Relevante, Ronaldo (que é irmão do Arnaldo)? Lá em Itabirito seria até assunto da quermesse.
No final, fica uma pontinha de dúvida: se o negócio é tão bom, mas tão bom, “cadiquê” o dono tá saindo ???? Será que a noiva já estava prometida desde a 1ª troca de olhares com o banco de investimento? Ou será que tudo não passou de uma singela operação “Zé com Zé” para destravar o valor do papel? Se existesse uma Política de Negociações de Ações séria, daquelas bem restritivas (vide postagem de 24/6/12), o executivo não teria liberdade para negociar suas ações com prejuízo para a imagem da empresa (processo na CVM mesmo que encerrado por acordo é processo na CVM...).
Como jabuti não sobe em árvore e sou adepto do ceticismo saudável, acho que aí tem coisa.... A conferir.
Abraços a todos e uma boa semana,
Renato Chaves

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro visitante, apesar da ferramenta de postagem permitir o perfil "comentário anônimo", o ideal é que seja feita a identificação pelo menos com o 1º nome. A postagem não é automática, pois é feita uma avaliação para evitar spams. Agradeço desde já a sua compreensão.