Boas-vindas

Caro visitante,
A proposta do Blog da Governança é estimular o livre debate em torno de tópicos atuais relacionados com o tema Governança Corporativa.
Fiel ao compromisso com a transparência, o espaço independente (sem patrocínios ou monetização digital) pretende também funcionar como um fórum de estímulo ao ativismo societário (ou ativismo participativo), com foco na regulação para as empresas de capital aberto.

25 de setembro de 2021

Remuneração de Administradores: um tabu no Brasil.

 

A última postagem do Blog (dia 17/9/21 no link https://www.blogdagovernanca.com/2021/09/remuneracao-de-presidentes-de-conselhos.html), que revela diferenças absurdas entre conselheiros de administração nas empresas integrantes do Ibovespa, está dando pano para manga.


Recebi ligações, mensagens de Whatspp e e-mails com considerações diversas.


Por alguns sou visto como implicante, que tem bronca genérica com as remunerações pagas.


Outros amigos/leitores entendem que o assunto deve ser debatido com mais atenção.


Pois bem meus queridos leitores, o que eu busco é ligar o holofote sobre os conjuntos de valores pagos, de uma forma organizada, em uma só planilha. Penso que, com isso, os investidores teriam condições de comparar e, eventualmente, identificar grandes discrepâncias.


Teve gente que me avisou que a empresa remunera diferentemente seus conselheiros por conta das participações em comitês (no caso temos R$ 407 mil/ano x R$ 2,8 milhões/ano – “somente” 606% de diferença !!!); outro me ligou mencionando que o exercício de opções de compra de ações geraram essa diferença (de “somente” 71.050%). Teve ainda empresa alegando que essa situação (remuneração em ações) se trata de estimativa contábil, sem saída de caixa no ano.


“Tá legal eu aceito o argumento, mas não me altere tanto o samba assim”, já dizia Paulinho da Viola em “Argumento”; mas quando a maior fatia do bolo fica com o presidente do conselho, que também é sócio controlador, como fica?


Em recente contato com advogados de uma das maiores bancas do País me perguntaram como fazer para mitigar esse conflito de interesses; entendo que a distribuição da verba global, feita pelos conselhos de administração, deveria passar por um comitê de remuneração, que teria obrigatoriamente a maioria de seus membros “independentes”. A opinião desse comitê seria mandatória, sob pena de vermos prevalecer a máxima “farinha pouca meu pirão primeiro”.


Por fim, para quem gosta desse tipo de levantamento, vem aí um trabalho sobre a remuneração dos CEOs em tempos de pandemia. Nitroglicerina pura.


Abraços fraternos,

Renato Chaves

 

P.S.: por motivos técnicos na ferramenta que uso para gerenciar o Blog vários comentários de leitores deixaram de ser publicados no tempo certo. Peço desculpas; uma vez identificado o problema respondi a todos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro visitante, apesar da ferramenta de postagem permitir o perfil "comentário anônimo", o ideal é que seja feita a identificação pelo menos com o 1º nome. A postagem não é automática, pois é feita uma avaliação para evitar spams. Agradeço desde já a sua compreensão.