Boas-vindas

Caro visitante,
A proposta do Blog da Governança é estimular o livre debate em torno de tópicos atuais relacionados com o tema Governança Corporativa.
Fiel ao compromisso com a transparência, o espaço independente (sem patrocínios ou monetização digital) pretende também funcionar como um fórum de estímulo ao ativismo societário (ou ativismo participativo), com foco na regulação para as empresas de capital aberto.

7 de maio de 2016

Assembleias de acionistas no Brasil: entre o trágico e o cômico.

Definitivamente a governança corporativa das empresas listadas no Brasil precisa melhorar, e muito. Como nos canta a magnífica Marisa Monte, em música de Candeia: é “rir pra não chorar”.

Até no ambiente de grandes empresas, que deveriam privilegiar a adoção de boas práticas de governança corporativa para angariar mais investidores, o que vemos é um total desrespeito aos acionistas, falta de consideração mesmo. Nem quero imaginar o que acontece nas empresas “menores”.

Participei em mais de 10 assembleias* de 3 formas: de corpo e alma, via SEDEX (por boletim de voto) e por meio eletrônico. Além disso, acompanhei outras 17 assembleias onde sou acionista, mas não votei porque as empresas não ofereceram o boletim de voto à distância ou por coincidência de data ou ainda por conta da distância da praia de Copacabana.

A partir da aquisição de ações de empresas que usam voluntariamente uma liminar judicial para afrontar a CVM e não divulgar informações sobre a remuneração de executivos (em 28 empresas), eu tive a oportunidade de vivenciar a experiência de ser um “nano” investidor nas assembleias gerais (Obs.: nunca tenho mais do que 50 ações entre milhões/bilhões de ações do capital social da cada empresa).

Duas observações iniciais: (i) os casos de votos contrários às propostas de remuneração dos Administradores surpreenderam. Teve empresa com 22% de rejeição à proposta da Administração, assembleia suspensa pela briga entre controladores e minoritários e ainda assembleia que simplesmente rejeitou a proposta - parece que os acionistas acordaram do sono profundo; (ii) merece “nota de pesar” a participação acanhada dos investidores institucionais nacionais, como fundos de investimentos e fundos de pensão – onde fica o dever fiduciário?

Como um “nano” investidor sofri. E como sofri. Mas confesso: foi um sofrimento saudável, parecido com correr uma meia maratona no Deserto do Atacama, o que me permite sugerir mudanças em práticas nefastas que são adotadas Brasil afora. E nas empresas de Novo Mercado? Vale tudo, como dizia o saudoso Tim Maia.

Ao longo das próximas postagens vou relatar “causos”, sem identificar o “pai da criança” (recomendação do meu guru advogado), sobre o que rolou nessas assembleias, tanto nas virtuais como nas presenciais.

O assunto é tão grave que a AMEC já planeja realizar um seminário sobre problemas em assembleias.

Por fim, vale frisar que a CVM já foi notificada dos fatos ocorridos, sem denúncias, tão somente a título de sugestão para adoção de melhorias.

Fica a certeza que em 2017 vamos ter mais participação, com a obrigação do boletim de voto à distância para as empresas mais importantes do País.

Abraços a todos,
Renato Chaves

* TIM, Gerdau, Oi, CPFL, Iguatemi, B2W, Vale, BrMalls, Lojas Americanas, Banco Itaú e Cielo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro visitante, apesar da ferramenta de postagem permitir o perfil "comentário anônimo", o ideal é que seja feita a identificação pelo menos com o 1º nome. A postagem não é automática, pois é feita uma avaliação para evitar spams. Agradeço desde já a sua compreensão.