Boas-vindas

Caro visitante,
A proposta do Blog da Governança é estimular o livre debate em torno de tópicos atuais relacionados com o tema Governança Corporativa.
Fiel ao compromisso com a transparência, o espaço independente (sem patrocínios ou monetização digital) pretende também funcionar como um fórum de estímulo ao ativismo societário (ou ativismo participativo), com foco na regulação para as empresas de capital aberto.

6 de junho de 2015

Termo de compromisso é desmoralizado por insider.

Depois dessa acho que muita gente vai questionar o uso dos termos de compromisso para infrações graves, os verdadeiros crimes hediondos contra a confiabilidade do mercado.

A situação chega a ser cômica, se não fosse trágica.
Imaginem um sujeito flagrado pela CVM em negociação com o uso de informação privilegiada, mas usando o CPF da mãe. Coitadas, infelizmente uma situação cada vez mais comum com a “exploração” de mães por filhos inescrupulosos, um prato cheio para contos rodriguianos. Será que não dá para incluir esse tipo de abuso no Estatuto do Idoso?

Pois bem, como a ferramenta “termo de compromisso” é utilizada sem a devida ponderação da gravidade e oportunidade em nosso País, mais uma vez o que poderia ser um julgamento educativo foi substituído pelo arquivamento do caso, mediante o compromisso de cessação da prática criminosa e pagamento de uma quantia relativamente modesta (R$ 1,6 milhão) quando comparada ao ganho auferido na prática criminosa (R$1.071.808,78 para ser exato aproveitando uma alta de 38% após o fato relevante). Vale lembrar que os valores recebidos pela Autarquia vão para o grande cofre de Brasília, não sendo destinados nem à empresa cujo nome foi jogado no lixo, nem para ressarcimento dos investidores otários, que negociaram suas ações ao doce sabor dos ventos da impunidade.

E não é que o beneficiado pelo Terminho resolveu roer a corda e pedir o cancelamento do acordo, alegando “que a mera existência do processo administrativo acabou por inviabilizar sua capacidade financeira para honrar um compromisso desse porte”.

Devido ao número de insiders nesse processo (uma tropa de 5), a CVM perdeu uma ótima oportunidade de distribuir inabilitação ampla, geral e irrestrita. Uma pena.

Por fim, fica o registro que o Presidente/Super xerife votou contra a aceitação da proposta.

Abraços a todos,

Renato Chaves

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro visitante, apesar da ferramenta de postagem permitir o perfil "comentário anônimo", o ideal é que seja feita a identificação pelo menos com o 1º nome. A postagem não é automática, pois é feita uma avaliação para evitar spams. Agradeço desde já a sua compreensão.