Boas-vindas

Caro visitante,
A proposta do Blog da Governança é estimular o livre debate em torno de tópicos atuais relacionados com o tema Governança Corporativa.
Fiel ao compromisso com a transparência, o espaço independente (sem patrocínios ou monetização digital) pretende também funcionar como um fórum de estímulo ao ativismo societário (ou ativismo participativo), com foco na regulação para as empresas de capital aberto.

5 de novembro de 2016

Assembleias 2017: dever fiduciário, abusos de controladores e outras querelas.

A julgar pelo o que vem ocorrendo em 2016 teremos uma safra de assembléias bem agitada em 2017.

Parece que o investidor acordou para o tema remuneração, como podemos constatar nas expressivas votações contra as propostas oficiais das administrações das empresas TIM, Embraer, Duratex, CSN, Fibria, Itausa, Minerva, BrMalls e Oi.

Essa percepção é reforçada pela leitura do recente Comunicado da AMEC sobre remuneração de administradores (disponível em http://www.amecbrasil.org.br/comunicado-ao-mercado-remuneracao-de-administradores/), com seus exemplos de abusos:
• Determinação de aceleração de dívida em caso de demissão de executivo;
• Contratos de indenidade praticamente sem limite, tornando o executivo praticamente inimputável no âmbito civil;
• Condições contratuais não equitativas, que garantem pagamentos elevados mesmo em caso de saída do executivo – agravado por situações de elevado turnover;
• Salários elevados e incompatíveis com a função ou experiência profissional, conforme bem decidido pela CVM no PAS RJ2011/5211 (Electro Aço Altona), julgado em Julho-2015;
• Pagamentos através de empresas ligadas, com transparência muito aquém daquela esperada das empresas abertas;
• Reprecificação de opções sem aprovação por acionistas;
• Inobservância das regras de publicidade da remuneração determinadas pela CVM.

Eu incluiria mais dois exemplos de obscurantismo: (i) remuneração diferenciada para o presidente do conselho de administração, que por vezes supera em 4 vezes a remuneração do CEO, caracterizando o pagamento disfarçado de dividendos para o acionista controlador e (ii) falta de transparência sobre pagamento de bônus de saída para executivos em empresas envolvidas em fraudes corporativas, especialmente quando acordos judiciais eximem de responsabilidade os Administradores.

Por fim, temos o lançamento do Código AMEC de Princípios e Deveres dos Investidores Institucionais – Stewardship como um fator de estímulo à participação dos investidores institucionais (os IIs – favor não confundir com EI), promovendo o senso de propriedade nos investidores institucionais e criando padrões de engajamento responsável (disponível em http://www.amecbrasil.org.br/stewardship/codigo/). Por enquanto só temos como signatários gestores de recursos; fica faltando a adesão dos fundos de pensão, que continuam devendo uma atuação mais firme. Tem gente que entra muda e sai calada nas assembléias.

Junta tudo com a Instrução CVM nº 561 e temos condições quase perfeitas para estimular a participação. Mas isso é tema para outra postagem. 

Abraços a todos,

Renato Chaves

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro visitante, apesar da ferramenta de postagem permitir o perfil "comentário anônimo", o ideal é que seja feita a identificação pelo menos com o 1º nome. A postagem não é automática, pois é feita uma avaliação para evitar spams. Agradeço desde já a sua compreensão.