Boas-vindas

Caro visitante,
A proposta do Blog da Governança é estimular o livre debate em torno de tópicos atuais relacionados com o tema Governança Corporativa.
Fiel ao compromisso com a transparência, o espaço independente (sem patrocínios ou monetização digital) pretende também funcionar como um fórum de estímulo ao ativismo societário (ou ativismo participativo), com foco na regulação para as empresas de capital aberto.

6 de abril de 2013

Investidores, escondam suas carteiras !!! Uma nova onda de fusões/aquisições vai começar.

El Calafate, Patagônia (ARG) - A notícia, publicada no jornal Valor do dia 18/2 (Wall Street vê nova onda de grandes fusões e aquisições) é de deixar qualquer homem probo com mais de 40 anos ressabiado, pois o passado recente mostra que a aquisição de hoje tem grandes chances de se transformar na baixa contábil de amanhã.
Assessores de bancos de investimentos regiamente remunerados cuspindo números fantasiosos (o mesmo jornal cita o caso de uma empresa avaliada em 32x o valor do EBITDA !!!), recheados de termos bestas (que tal fazer um carve out ???), ajudarão a compor o cenário, com um final trágico já conhecido: muito dinheiro na conta dos executivos, sacrifício de dividendos para os investidores, e pior, com o desaparecimento de inúmeros postos de trabalho. Sobre o corte imediato de custos após uma grande aquisição, outra notícia do mesmo dia atesta que “a carga pesada de dívida que eles estão assumindo para fazer o negócio de US$ 23 bilhões pode deixá-los com pouca escolha”. Dá até pena dos modernos barões do apocalipse (ou seria uma nova versão do Trio Parada Dura?).
Como diz o ditado: berra a cabra ou berra o bode é o povo que se explode.
Abraços a todos e uma boa semana,
Renato Chaves

2 comentários:

  1. Depois dos 40, ainda é possível ter esperança, mas não ilusões. Após de receber formação em Finanças Corporativas com bambambãs de Harvard e Wharton nos meus idos 20 anos, minha vida profissional - que conta com passagens em bancos de investimento e empresas de primeira - me fez cética em relação à valuations por DCF inclusive e principalmente. Quando não se chega ao número que se quer, tira daqui, bota dali - tudo com argumentos bem concatenados, aliás, bastam estes. Sinergias operacionais, nunca as as vi materializar. Exceto, óbvio, por redução de despesas de mão-de-obra (demissões). Essa me parece ser a única sinergia que os empresários sabem capturar.

    ResponderExcluir
  2. Silvia,
    Concordo com você, o caminho do corte de mão de obra é o mais curto para mostrar uma suposta eficiência e embolsar os bônus.
    Agradeço a sua participação.
    Renato Chaves

    ResponderExcluir

Caro visitante, apesar da ferramenta de postagem permitir o perfil "comentário anônimo", o ideal é que seja feita a identificação pelo menos com o 1º nome. A postagem não é automática, pois é feita uma avaliação para evitar spams. Agradeço desde já a sua compreensão.