Boas-vindas

Caro visitante,
A proposta do Blog da Governança é estimular o livre debate em torno de tópicos atuais relacionados com o tema Governança Corporativa.
Fiel ao compromisso com a transparência, o espaço independente (sem patrocínios ou monetização digital) pretende também funcionar como um fórum de estímulo ao ativismo societário (ou ativismo participativo), com foco na regulação para as empresas de capital aberto.

4 de setembro de 2011

Qual o melhor momento para trocar o CEO?

(da série “Polêmicas na GC”)
O planejamento de sucessão tem sido abordado regularmente aqui no Blog. Acho que ninguém discorda que a preocupação do investidor com a continuidade de um projeto vitorioso, calcado em lideranças positivas para a Cia., é legítima e deve ser tratada com atenção pelo CAdm – o caso recente da Apple é emblemático.

Mas se por um lado a preocupação com a substituição de executivos é preventiva, seja por perda para o mercado ou mesmo por uma fatalidade, a substituição programada deve estar inserida no radar do CAdm. Um grande amigo defende a teoria de que todo CEO deveria ser contratado com um prazo de validade; isso evitaria discussões intermináveis na hora da troca (tem situação que parece chiclete na boca de velho vai de um lado para o outro mas não sai do salão).

Mas quando o Conselho deve substituir um executivo, especialmente o CEO?

Pensando alto, avalio que algumas perguntas devem ser colocadas na mesa com regularidade, para que algumas decisões possam ser tomadas antes que seja tarde demais:

·         Qual era o momento da Cia. quando o CEO foi contratado?
·         O CEO “entregou” o que se esperava (reestruturação, crescimento ou condução de um processo de fusão de empresas)?
·         Se não entregou, quais as causas? (às vezes os sócios não ofereceram condições favoráveis...)
·         O perfil do CEO é adequado para o momento atual da Cia (suas habilidades e competências)?
·         O longo tempo de permanência no cargo está fragilizando os controles internos, fruto de uma acomodação natural das pessoas?
·         O CEO boicota discretamente a formação de potenciais sucessores como forma de perpetuação no cargo? (sintomas: o CFO muda a cada 18 meses, o CEO dá pouco espaço para os demais executivos nas reuniões do Conselho, o CEO acumula as funções de DRI...)
·         A soberba está fazendo com que o CEO se sinta(sempre) a pessoa mais importante da Cia?(sintomas: crescimento do staff, exigência de elevador privativo na sede da Cia., compra de aviões, etc)

É muito difícil responder o prazo de validade de um CEO. Mas lá vai um palpite, fruto da experiência (e da participação em processos de substituição, alguns traumáticos): 8 anos, no máximo, no máximo, 10 anos. Qual a lógica? Se o executivo não terminou o projeto em 8 anos ele provavelmente falhou e se o projeto foi formatado para durar mais que 8 anos, provavelmente o projeto foi mal formatado.

Abraços a todos e uma boa semana,
Renato Chaves

2 comentários:

  1. Renato,
    Acho que a avaliação formal do CEO pelo CAD já é um bom começo. Poucos conselhos fazem.
    Abs
    Joaquim Castro

    ResponderExcluir
  2. Prezado Joaquim,
    Sem dúvida, mas mesmo os conselhos que avaliam formalmente os CEOs o fazem priorizando métricas financeiras, sem avaliar o "momento" da empresa, o perfil do CEO e suas habilidades.
    Um abraço,
    Renato Chaves

    ResponderExcluir

Caro visitante, apesar da ferramenta de postagem permitir o perfil "comentário anônimo", o ideal é que seja feita a identificação pelo menos com o 1º nome. A postagem não é automática, pois é feita uma avaliação para evitar spams. Agradeço desde já a sua compreensão.