Boas-vindas

Caro visitante,
A proposta do Blog da Governança é estimular o livre debate em torno de tópicos atuais relacionados com o tema Governança Corporativa.
Fiel ao compromisso com a transparência, o espaço pretende também funcionar como um fórum de estímulo ao ativismo societário (ou ativismo participativo), com foco na regulação para as empresas de capital aberto.

16 de agosto de 2014

Renúncia: a prática de políticos corruptos invade o mundo corporativo.

A recente notícia de que dois executivos de uma importante empresa lusitana renunciaram depois que mais de €$ 800 milhões foram “desviados” do caixa para socorrer um importante acionista quebrado soa familiar para nós brasileiros. Nada de processo, sequer inabilitação. Como bem diz o ditado: tudo continua como dantes no quartel D’ Abrantes. Lavou, tá limpinho.... Se fosse em um país sério ao invés de passear em Trás-os-Montes esses gajos passariam uma longa temporada atrás das grades.

Isso porque aqui, nas terras de além mar, a prática de renunciar é comum quando um político corrupto é flagrado em transações “não republicanas”. Além do tradicional “eu não sabia de nada”, vale renunciar para o processo voltar para a 1ª instância judicial e assim buscar a prescrição dos crimes pela demora no julgamento, como recentemente o fez certo Senador mineiro.

No caso da terrinha, o diretor financeiro afirma que não foi ouvido (vide jornal Valor de 14/8), donde concluímos que a transferência dos recursos deve ter sido assinada pelo estagiário Manoel ou pelo office boy Joaquim, ambos recém contratados na famosa empresa de telecomunicações.

E o “mercado”, que fica revoltadinho e tanto reclama dos políticos, aceita candidamente esse tipo de comportamento no meio corporativo. Afinal, só existe corrupto porque existe uma empresa corruptora, sendo que algumas dessas empresas chegam até a receber prêmios nos nossos congressos de governança (e tinha que ser uma construtora para ter estilo).

Continuo fã da cultura japonesa, onde executivos e políticos adotam medidas radicais quando são pegos com a boca na botija, pois sabem que representam uma vergonha para suas famílias. Brasília, Lisboa e Belo Horizonte ficariam mais limpas...

Abraços a todos,
Renato Chaves

Um comentário:

  1. Renato,
    Práticas nocivas são como pragas numa lavoura, precisas de combate constante para não se alastrarem. Lá em Minas, quando criança a gente usava enxada para acabar com tiririca e tinha que cavar muito fundo porque a danada volta com força. Em governança corporativa a situação é parecida, a vacina é ética, mas como não se vende na farmácia, as empresas precisam ter bons controles internos: robustos, independentes, dinâmicos, ou seja, eficientes. E no ambiente externo, temos que cavar fundo, mudar a legislação, aprimorar nossa Lei Anticorrupção que acabou de nascer prevendo que executivo que lesar a empresa responderá mesmo transcorridos trocentos anos...

    ResponderExcluir

Caro visitante, apesar da ferramenta de postagem permitir o perfil "comentário anônimo", o ideal é que seja feita a identificação pelo menos com o 1º nome. A postagem não é automática, pois é feita uma avaliação para evitar spams. Agradeço desde já a sua compreensão.