Boas-vindas

Caro visitante,
A proposta do Blog da Governança é estimular o livre debate em torno de tópicos atuais relacionados com o tema Governança Corporativa.
Fiel ao compromisso com a transparência, o espaço pretende também funcionar como um fórum de estímulo ao ativismo societário (ou ativismo participativo), com foco na regulação para as empresas de capital aberto.

28 de julho de 2013

E agora querem conselho fiscal...

Da janela do 3901 (o chamado vôo do padeiro, que sai do santos Dumont às 6:15) dava para ver pelo menos 3 jatinhos estacionados no hangar privativo do sujeito do Topete. Será que só o chato do blogueiro reparava?

Essa conversa de empresa de capital aberto com jatinho é antiga... Quem não se lembra da empresa com sede em Brasília e negócios no Sul do País que emprestava jatinho para um nobre Senador se deslocar até o Piauí?

Conselho Fiscal agora? Só se for para descobrir pagamentos para escritórios de advocacia fora dos padrões... Ou quem sabe uma empresa de propaganda que recebe as faturas em paraísos fiscais?

Por essas e outras é que não entendo como o Novo Mercado não tem o conselho fiscal como órgão obrigatório.

Mas nem tudo está perdido, pois o “Bar X” está funcionando a pleno vapor na Rua Barata Ribeiro, quase esquina de Rodolfo Dantas, pertinho aqui de casa. Ainda que não passe de um pé sujo, típico de Copacabana, o nome é sugestivo: a bolsa caiu, bebe para esquecer, a bolsa subiu, bebe para comemorar. Será que o rapaz já está diversificando? O ponto é bom.

Abraços a todos e uma boa semana,

Renato Chaves

20 de julho de 2013

Banqueiros estavam de conluio: fica esperto Francisco.

Estavam ou sempre estiveram? Não sei onde a União Européia vai parar... Parece que estão tentando redescobrir a pólvora. Será que a acusação de conluio no caso dos derivativos de 2008 (jornal Valor do dia 02/7) pode ser somada à manipulação da Libor e à falta de transparência na formação dos livros de ofertas em IPOs mundo afora? Na terra da Rainha estão estudando pena criminal para banqueiros (jornal Valor do dia 9/7) !!! Será que eles não conhecem o caso do HD do computador do famoso banqueiro baiano, pacato morador de Ipanema? Só falta organizarem uma passeata na Av. Paulista para buscar apoio da população para investigar os pobres banqueiros (pobres de espírito...).

Logo agora que o Papa criou uma comissão para auditar as contas do Banco do Vaticano e um Monsenhor foi preso tentando entrar na Itália ilegalmente com $ 20 milhões de euros, vindo da Suíça (e de onde mais poderia ser?), deixando o caso dos dólares na cueca parecer “série D do Campeonato Brasileiro”. O Papa mexeu em um vespeiro... Mas basta quebrar o voto de silêncio da Irmã Vincenza sobre a morte do “Papa sorriso” para colocar meia dúzia de italianos em cana. Dica de carioca: fica ixperto Francisco.... Em pé sem cair, sentado sem dormir, deitado sem cochilar !!!

Abraços a todos e uma boa semana,

Renato Chaves

13 de julho de 2013

Dicas infalíveis para ganhar dinheiro na bolsa de valores.

1ª dica: não acredite em dicas. Especialmente quando um amigo te confidenciar que ouviu de um amigo que tem um amigo que trabalha na Praça Mahatma Gandhi nº 14 que o CEO topetudo falou em voz baixa para o CFO marrento dentro do elevador, em uma sombria manhã de 2ª feira na Cidade Maravilhosa, que “a loira está bombando”. Como o CEO topetudo estava segurando um relatório de produção de óleo ainda inédito, esse amigo do amigo do amigo garantiu que a mensagem cifrada (a tal loira) dizia respeito a um poço na Bacia de Campos que garantirá uma produção fantástica para a empresa do topetudo. Tempos depois esse mesmo amigo do amigo do amigo ouviu o mesmo CEO topetudo afirmar, em voz baixa, que “ninguém segura o Eric”. Mais uma dica imperdível...

2ª dica: deixe de ser preguiçoso e faça uma análise dos chamados fundamentos da empresa antes de investir. Sou formado na escola fundamentalista e, já tendo estudado a chamada análise gráfica, posso garantir que é muito mais fácil entender que a margem aumentou por ganhos de produtividade do que identificar os canais de alta e de baixa com seus pontos de reversão, o suporte ou a resistência do papel, o que vai acontecer depois que se forma a figura ombro-cabeça-ombro, etc...

3ª dica: desconfie desses amigos que corriqueiramente passam dicas imperdíveis. Ele possivelmente está querendo vender o papel que comprou e precisa arrumar seguidores fiéis que acreditem que a tal loira não é uma popuzuda qualquer que “maltratou” o topetudo na madrugada e sim um poço que vai produzir mais óleo que o campo de Khuzestan. É o chamado “amigo da onça”.

4ª e última dica: avalie qual o nível de risco que você está disposto a correr antes de investir. Não precisa ter feito pós-gradução em mercado de capitais no IAG para entender que retirar óleo do fundo do mar é bem mais complexo do que cobrar 7,9% ao mês pelo uso do cheque especial.  Caso contrário você vai terminar em uma churrascaria comendo “xuleta” com o pessoal do Boi Gordo e do Avestruz Master, tendo a hiena Hardy como mascote da turma (e ela dizia: sabia que não podia confiar no papagaio!  Oh dia, oh azar !!!).

Abraços a todos e uma boa semana,

Renato Chaves

6 de julho de 2013

Perdeu dinheiro com X, Y ou Z? Não adianta culpar a governança corporativa...

O colapso de certo empreendimento sediado na Cidade Maravilhosa trouxe à tona a discussão sobre como uma empresa listada no segmento máximo em termos de boas práticas de governança corporativa pode virar “pó”? As ferramentas de proteção falharam?

Convidado pela rádio CBN para falar do tema hoje (é possível ouvir a entrevista em http://cbn.globoradio.globo.com/programas/revista-cbn/2013/07/06/MECANISMOS-DAS-EMPRESAS-DE-EIKE-BATISTA-NAO-SAO-GARANTIA-DE-BOM-NEGOCIO.htm), procurei reforçar a idéia de que os mecanismos de governança corporativa não têm a função de eliminar os riscos de implantação de um negócio. Ajudam a monitorar a execução, com transparência e equidade entre os investidores. Mas o investidor deve, antes de tudo, avaliar qual o nível de risco que está disposto a correr. É simples: investir em uma empresa recém criada para descobrir/extrair petróleo é muito, mas muito mais arriscado do que comprar ações de um banco que está no mercado há mais de 50 anos, conservador, que explora uma atividade conhecida por todos há séculos (nos explora, hehehe).  Fases diferentes na vida de uma empresa também carregam riscos diferenciados: quem investiu na abertura de capital do Wal- Mart em 1970 (IPO de somente US$ 4,95 milhões), quando a empresa tinha pouco mais que 30 lojas e estava endividada, certamente correu um risco infinitamente maior do que o investidor que compra hoje as mesmas ações (a empresa já chegou à marca de 10.800 lojas com diferentes bandeiras com faturamento de incríveis US$ 466 bilhões – maior que o PIB da Áustria).

Quanto à atuação do regulador, parece que não ouve omissão ou demora. O processo administrativo deve seguir um rito, sob pena de não ter validade. As twittadas do topetudo deveriam ter sido proibidas imediatamente, pois criavam expectativas por meio de um veículo não oficial de divulgação de informações da empresa? Concordo, tanto é que escrevi sobre isso na postagem de 28/4. Twitter é para falar da balada, do carrinho novo do filhinho ou da nova namorada (da amante não dá para falar por razões óbvias). A não ser que se crie um link direto para depósito de todas as twittadas privadas do CEO nos sites oficiais.

No mais, caro investidor, quer moleza? Compra ação de empresa de cerveja em época de Copa do Mundo... Mas compra o líquido também, pois ajuda na receita e se a ação cair você já está de porre para afogar as mágoas.

Abraços a todos e uma boa semana,

Renato Chaves