Boas-vindas

Caro visitante,
A proposta do Blog da Governança é estimular o livre debate em torno de tópicos atuais relacionados com o tema Governança Corporativa.
Fiel ao compromisso com a transparência, o espaço pretende também funcionar como um fórum de estímulo ao ativismo societário (ou ativismo participativo), com foco na regulação para as empresas de capital aberto.

12 de janeiro de 2018

Diversidade nos conselhos: como evoluir em uma sociedade conservadora, racista e com cultura sexista?


Todos sabem que conselho de administração no Brasil é um espaço dominado por homens brancos, de cabelos grisalhos (alguns carecas), normalmente engenheiros, administradores ou economistas (alguns advogados e pouquíssimos contadores), de terno e gravata com uma caneta Mont Blanc no bolso.

Por absoluta falta de informações nos Formulários de Referência me limitarei a tratar da presença feminina nos conselhos, sem tratar da questão racial. Mas duvido, repito D-U-V-I-D-O, que tenhamos mais do que dois negros em conselhos de administração de empresas listadas.

Os números apresentados na matéria “Por que as mulheres não chegam ao board?”, da jornalista Anna Carolina Oliveira no site da revista Exame (disponível em https://exame.abril.com.br/carreira/por-que-as-mulheres-nao-chegam-ao-board/) assustam mais do que com o desempenho do meu querido Botafogo no ano passado: somente 7,7% de participação de mulheres em conselhos de administração no Brasil? Lá fora esse número chega a 15%, segundo informações da mesma matéria.

Fiz um rápido levantamento no respeitado Anuário de Governança Corporativa das Companhias Abertas da Revista Capital Aberto 2017-2018, com informações dos Formulários de Referência das 100 empresas mais negociadas na bolsa brasileira (a versão digital contém 150 empresas – para assinantes em www.capitalaberto.com.br), e o resultado foi bem parecido: 7,3%, com 55 mulheres em um universo de 754 vagas de conselheiros.

Vou logo avisando: sou contra cotas para mulheres em conselhos. 

Avalio que o problema está na barreira que existe para a ocupação de cargos gerenciais. Isso sem falar na desigualdade de remuneração (a pequena Islândia tem muito a nos ensinar).

A professora de gestão de pessoas do Ibmec, Silvana Andrade, nos revela na referida reportagem que “um dos motivos para o lento avanço feminino na hierarquia corporativa é a cultura sexista e conservadora da sociedade, responsável pelos estereótipos de gênero que são reafirmados diariamente nas diversas mídias, nos contextos familiares e, é claro, nos ambientes de trabalho”. E nos diz ainda que “é um fenômeno chamado de ‘teto de vidro’, uma barreira invisível, porém rígida, que limita o alcance de determinadas posições para determinados grupos”.

Diante dessa realidade, não causa surpresa vermos somente uma mulher entre os 23 executivos premiados pela publicação “Executivo de Valor-2017” (http://www.valor.com.br/especiais).

Como furar essa barreira? Que tal começar criando a cultura de oferecer oportunidades iguais nos processos de seleção para cargos gerenciais? Como assim? Fácil, basta respeitar a proporção entre homens e mulheres de cada organização, replicando a mesma proporção nos processos de seleção... A relação na sua empresa é 60% homens e 40% mulheres? Então todo processo seletivo terá que “copiar” essa relação, com no mínimo 40% das candidatas do sexo feminino. Penso que é uma forma de criar a oportunidade.

Está lançado o debate, lembrando que sou um “não especialista” no assunto, mas tão somente um nano investidor que fala muito, um incomodado que enxerga na diversidade algo positivo para as empresas e, por tabela, para toda a sociedade.

Abraços a todos,
Renato Chaves


Nota da redação: a presente postagem foi rascunhada ainda novembro, quando da leitura da citada reportagem, não tendo sido influenciada pelo eloquente discurso da gigante Oprah.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro visitante, apesar da ferramenta de postagem permitir o perfil "comentário anônimo", o ideal é que seja feita a identificação pelo menos com o 1º nome. A postagem não é automática, pois é feita uma avaliação para evitar spams. Agradeço desde já a sua compreensão.