Boas-vindas

Caro visitante,
A proposta do Blog da Governança é estimular o livre debate em torno de tópicos atuais relacionados com o tema Governança Corporativa.
Fiel ao compromisso com a transparência, o espaço pretende também funcionar como um fórum de estímulo ao ativismo societário (ou ativismo participativo), com foco na regulação para as empresas de capital aberto.

27 de outubro de 2017

Quanto a Administração “consome” do EBITDA/LAJIDA?


O tema “remuneração global x EBITDA” faz mais sucesso que pacote de biscoito Globo domingo na praia Copacabana, promoção de latinha de Itaipava no aniversário do Guanabara ou acarajé da Cira no Largo da Mariquita.

Sempre é bom lembrar que essa compilação tem origem nas informações publicadas de forma organizada no Anuário de Governança Corporativa das Companhias Abertas 2017-2018 da Revista Capital Aberto (dados dos Formulários de Referência de 2016), com um universo das 100 empresas mais negociadas na bolsa brasileira (a versão digital do Anuário contém 150 empresas – para assinantes em www.capitalaberto.com.br).

A média de um universo de 85 empresas mais líquidas do nosso mercado, de 2,70%, foi bem parecida com a média do ano anterior (2,58%). Foram excluídas dessa conta as instituições financeiras/seguradoras, empresa que simplesmente não divulgou EBITDA (CSN) ou com EBITDA negativo (Gafisa). 

Abre aspas: a CSN não divulga EBITDA, mas a remuneração de R$ 88,8 milhões supera as remunerações na Vale, Ambev, BRF e outras... Equivale a uma Ambev somada a uma Lojas Renner !!! Socorro. Fecha aspas.

Vejam a tabela completa (em reais) e tirem as suas conclusões.... Aviso: cuidado na leitura, vale até ingerir um comprimido de passiflora, pois alguns números assustam.


Remuneração
EBITDA
Relação
Ano anterior
ABC Brasil
         100.188.920
 ND


AES Tiete
             7.028.486
           802.673.000
0,88%
ND
Aliansce
           17.699.111
           322.486.000
5,49%
3,92%
Alpargatas
           23.596.300
           595.800.000
3,96%
3,60%
Alupar
             6.712.416
        1.329.500.000
0,50%
0,73%
Ambev
           57.865.281
     15.971.040.000
0,36%
0,37%
Arezzo
           10.144.235
           177.141.000
5,73%
4,84%
B2W
           14.446.339
           652.900.000
2,21%
3,70%
B3
           54.065.801
 ND


Banco do Brasil
           55.537.471
 ND


Banrisul
             4.726.302
 ND


BB Seguridade
             6.293.094
 ND


BRMalls
           36.893.084
           256.474.000
14,38%
3,16%
BR Properties
             7.972.011
           139.892.000
5,70%
negativo
Bradesco
         572.000.000
 ND


Bradespar
             4.406.654
 ND


BRF
           50.181.818
        1.815.200.000
2,76%
1,88%
BTG
 ND
 ND


CCR
           36.789.000
        5.338.300.000
0,69%
1,22%
Cemig
           15.082.184
        2.638.000.000
0,57%
0,26%
Cesp
             3.597.688
           585.773.000
0,61%
0,41%
Cia Hering
           14.972.634
           207.569.000
7,21%
5,57%
Cielo
           45.138.400
        5.535.100.000
0,82%
0,76%
Copasa
             5.720.341
        1.396.109.000
0,41%
0,71%
Copel
             8.264.590
        2.752.300.000
0,30%
0,29%
Cosan
           30.513.098
        1.851.400.000
1,65%
1,08%
CPFL
           29.000.000
        4.125.766.000
0,70%
0,38%
CSN
           88.816.045
 ND

0,76%
CTEEP
             6.579.937
        7.404.763.000
0,09%
0,78%
CVC
           37.028.756
           500.216.000
7,40%
7,82%
Cyrela
           24.129.013
           343.000.000
7,03%
1,98%
Duratex
           33.297.776
           901.184.000
3,69%
4,08%
Ecorodovias
           26.121.563
        1.114.446.000
2,34%
1,92%
EDP
             6.772.766
        2.182.361.000
0,31%
0,25%
Eletrobras
             8.487.376
     19.797.000.000
0,04%
negativo
Eletropaulo
           13.270.827
           734.300.000
1,81%
1,35%
Embraer
           20.360.000
        1.861.500.000
1,09%
2,88%
Energisa
             1.286.267
        1.768.700.000
0,07%
0,05%
Engie
           20.661.872
        3.052.000.000
0,68%
0,74%
Equatorial
           20.363.120
        1.395.865.000
1,46%
2,10%
Estácio
           16.241.491
           652.357.000
2,49%
5,29%
Eztec
           11.361.002
           169.037.000
6,72%
3,76%
Fibria
           13.476.257
        3.410.983.000
0,40%
1,25%
Fleury
             9.108.000
           483.089.000
1,89%
2,13%
Gafisa
           12.674.240
-          442.370.000

11,30%
Gerdau
             4.580.139
        4.049.000.000
0,11%
0,16%
Gol
           15.911.466
        1.144.212.768
1,39%
7,05%
Grendene
             6.646.614
           457.472.000
1,45%
1,26%
Hypermarcas
           50.825.179
        1.331.100.000
3,82%
3,50%
Iguatemi
           18.734.150
           521.296.000
3,59%
3,43%
Iochpe
           15.824.446
           796.225.000
1,99%
1,50%
Itau Unibanco
         313.798.000
 ND


Itausa
           12.168.769
 ND


JBS
           14.475.035
     11.286.900.000
0,13%
0,11%
Klabin
           42.733.096
        2.821.258.000
1,51%
1,77%
Kroton
           60.459.577
        2.405.600.000
2,51%
2,57%
Light
           22.456.089
        1.009.000.000
2,23%
1,69%
Linx
           10.077.235
           124.491.000
8,09%
5,02%
Localiza
           39.541.813
        1.015.700.000
3,89%
4,54%
Lojas Americanas
           50.024.330
        2.675.009.000
1,87%
2,64%
Lojas Renner
           30.476.839
        1.286.951.000
2,37%
3,08%
M Dias Branco
           20.375.189
           919.418.665
2,22%
2,56%
Magazine Luiza
           16.828.417
           714.557.000
2,36%
2,69%
Marcopolo
           16.091.920
           353.634.000
4,55%
7,37%
Marfrig
           22.806.672
        1.574.529.000
1,45%
0,75%
Metal Leve
          6.976.797
           117.083.000
5,96%
1,93%
Met Gerdau
             1.376.555
        4.040.000.000
0,03%
0,05%
Minerva
           10.487.759
           989.300.000
1,06%
0,70%
MRV
           21.300.895
           637.009.000
3,34%
2,84%
Multiplan
           32.226.959
           810.797.000
3,97%
3,85%
Multiplus
           11.241.206
           584.897.000
1,92%
2,12%
Natura
           40.204.400
        1.343.600.000
2,99%
2,25%
Odontoprev
           13.557.672
           297.147.000
4,56%
3,77%
Oi
           38.868.980
        6.376.800.000
0,61%
0,33%
Pão de Açúcar
           77.448.723
        1.618.000.000
4,79%
2,42%
Petrobras
           18.542.968
     65.025.000.000
0,03%
0,07%
Porto Seguro
           18.557.621
 ND


Qualicorp
           36.902.220
           709.900.000
5,20%
ND
Raia Drogasil
           39.843.150
           979.972.000
4,07%
3,59%
Randon
           11.436.505
           142.717.000
8,01%
5,07%
Sabesp
             4.106.929
        4.571.500.000
0,09%
0,11%
Sanepar
           11.233.155
        1.170.977.000
0,96%
1,09%
Santander
         260.753.368
 ND


São Martinho
           33.705.247
        1.445.083.000
2,33%
1,85%
Ser Educacional
             6.807.268
           357.272.000
1,91%
2,24%
Smiles
           10.192.294
           609.542.000
1,67%
2,49%
Sul America
             5.461.277
 ND


Suzano
           38.597.666
        3.905.871.000
0,99%
0,82%
Taesa
           12.954.865
        1.374.547.000
0,94%
0,62%
Telefonica
           60.585.121
     14.022.400.000
0,43%
0,62%
TIM
           21.051.605
        5.209.367.000
0,40%
0,26%
Totvs
           30.847.473
           343.917.000
8,97%
5,22%
Tupy
           21.401.135
           339.128.000
6,31%
2,54%
Ultrapar
           51.541.800
        4.216.700.000
1,22%
1,24%
Usiminas
           13.484.954
           994.899.000
1,36%
negativo
Vale
           63.261.701
     32.827.000.000
0,19%
negativo
Valid
           10.593.528
           267.300.000
3,96%
3,97%
Via Varejo
           32.043.805
           936.000.000
3,42%
3,04%
WEG
           39.581.000
        1.406.931.000
2,81%
3,90%
Wiz
           14.107.851
           209.920.000
6,72%
5,33%
Média
2,70%


Mas atenção: não se trata de uma pesquisa acadêmica, apenas a compilação de informações públicas que deveria funcionar como um singelo alerta para os investidores que votam de forma burocrática a verba global nas assembleias, procurando saber tão somente a variação da verba de um ano para o outro. Sempre é bom lembrar que cada vez mais investidores estão “esperneando” contra esses descalabros por meio da rejeição das propostas de verba global. Alguns exemplos da safra de assembleias de 2017: Embraer (21% de rejeição), Vale (também 21%), Oi (18%), Kroton (20%), CVC (22,3%), Linx (26,3%), Iochpe (21%), Marfrig (40,2% !!!) e a B3 (29,5%). A lista aumenta a cada dia, com pesquisa e ajuda de leitores.

E para facilitar a vida de investidores e economizar recursos das companhias com caríssimas pesquisas sobre remuneração o Blog publicará, nas próximas semanas, tabelas por grupos (até R$ 2 bilhões, entre R$ 2 e 10 bilhões e acima de R$ 10 bilhões de EBITDA)... Esperamos assim facilitar a comparação entre empresas de tamanho “parecido”.

Abraços a todos,

Renato Chaves

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro visitante, apesar da ferramenta de postagem permitir o perfil "comentário anônimo", o ideal é que seja feita a identificação pelo menos com o 1º nome. A postagem não é automática, pois é feita uma avaliação para evitar spams. Agradeço desde já a sua compreensão.