Boas-vindas

Caro visitante,
A proposta do Blog da Governança é estimular o livre debate em torno de tópicos atuais relacionados com o tema Governança Corporativa.
Fiel ao compromisso com a transparência, o espaço pretende também funcionar como um fórum de estímulo ao ativismo societário (ou ativismo participativo), com foco na regulação para as empresas de capital aberto.

19 de agosto de 2017

Parece que as publicações de DFs em jornais e imprensa oficial estão com os dias contados.

É o que podemos extrair dos discursos dos novos participantes do colegiado da CVM.

Tanto Gustavo Gonzalez, em seu discurso de posse, como Marcelo Barbosa, respondendo uma pergunta sobre o tema na sabatina no Senado (acreditem assisti tudo na TV), abordaram o espinhoso tema nessa linha: em pleno século XXI não faz sentido continuarmos com um padrão de divulgação que não atende os usuários, afinal todos preferem a WEB a ler longos textos formatados em letra Arial 8, desperdiça escassos recursos financeiros das companhias e vai contra o discurso comum de sustentabilidade, ao produzir lixo a partir de matéria prima nobre (jornal que vai direto para o “banheiro” do Totó).

Meus amigos jornalistas irão concordar comigo: não será a publicação de extensos cadernos coloridos com letras miúdas que irá reverter a tendência de queda na circulação dos jornais impressos (http://www.portaldosjornalistas.com.br/ivc-aponta-queda-em-circulacao-jornais/). E olha que sou daqueles que ainda assina jornal e lê livro em papel, deixando as leituras eletrônicas para as viagens de avião.

E o Diário Oficial? Ainda não acabou, mas tem que acabar, migrar para o meio eletrônico. Acho que até os tradicionalíssimos advogados com seus ternos e gravatas apoiarão a ideia.

Bem, mas não adianta fazer discurso, batucar o teclado, ficar no “ativismo digital”. Eu já havia sugerido em uma dessas audiências públicas da CVM uma mudança no padrão de divulgação: os veículos impressos passariam a receber uma versão bem resumida das DFs, só com balanço, DRE, relatório da auditoria, parecer do Conselho Fiscal e um breve comentário da Administração – caberia em uma página. Todo o restante na WEB...

Sugestão feita, sugestão negada sob a alegação de que aquele não seria o caminho correto, sendo necessário construir uma proposta de alteração na legislação. Então por que não o fizeram, pensei com os meus botões?

Então agora a tática é outra: o diligente cidadão e agente de mercado atuante protocolou um ofício na CVM (eletrônico é claro) solicitando que a Autarquia encaminhe uma proposta de alteração ao Poder Legislativo. É muito fácil fazer uma solicitação dessas, sem burocracia, mais fácil que eliminar ex-campeão na Copa Libertadores (dá-lhe Fogão !!!).

Será que irão negar o meu pedido? Manterei os atentos leitores do Blog informados.

Abraços a todos,

Renato Chaves

3 comentários:

  1. Excelente noticia Renato. As empresas e respectivos investidores agradecem!

    ResponderExcluir
  2. A turma do contra são os lobbies dos diários oficiais - União e Estados; Metade da receita do Valor vem de publicidade legal. Levariam um baque, mas acho que já se prepararam para isso. O problema é que a exigência é da Lei das SA. Tem que mudar a lei. Sempre complicado. O que me espanta não é a CVM não brigar, são os grandes pagadores como estatais de capital aberto, nossos queridos bancos, empresas industriais, não brigarem para eliminar essa forma anacrônica de comunicação.

    ResponderExcluir
  3. Silvia e Carlos,
    Imagino que uma alteração simples, mexendo na estrutura das DFs para permitir a publicação somente de uma versão "light", seria mais fácil de passar no Legislativo.
    Mas a CVM tem que liderar esse processo, pois ficaria claro que se trata de uma mudança para melhorar o mercado, desejo de todos os investidores.
    Um abraço,
    Renato Chaves

    ResponderExcluir

Caro visitante, apesar da ferramenta de postagem permitir o perfil "comentário anônimo", o ideal é que seja feita a identificação pelo menos com o 1º nome. A postagem não é automática, pois é feita uma avaliação para evitar spams. Agradeço desde já a sua compreensão.