Boas-vindas

Caro visitante,
A proposta do Blog da Governança é estimular o livre debate em torno de tópicos atuais relacionados com o tema Governança Corporativa.
Fiel ao compromisso com a transparência, o espaço pretende também funcionar como um fórum de estímulo ao ativismo societário (ou ativismo participativo), com foco na regulação para as empresas de capital aberto.

7 de fevereiro de 2015

Por um IBGC sem empresas !!!

Caro associado, o que você acha de ter um guia de melhores práticas de governança corporativa patrocinado por duas instituições criadas/mantidas por empreiteiras investigadas frequentemente por formação de cartel, corrupção, lavagem de dinheiro, etc., etc., etc....? (dica esperta: uma é baiana e a outra tem sede na Vila Olímpia)

E no nosso congresso? Cadeiras forradas por logotipo de uma empresa cuja expulsão já foi avaliada pelo conselho de administração do nosso Instituto em passado recente, por conta de inúmeras operações societárias contra minoritários? E que hoje está envolvida em uma fraude contábil/financeira de €$ 800 milhões, ora pois !!!

O clima do evento realizado no dia 4/2 era de festa, mas não tem como ficar calado. Ainda que o valor pago anualmente por essas empresas seja importante para as finanças do nosso Instituto, a presença no quadro de associados tira a liberdade do IBGC de criticar posturas, como a não divulgação da remuneração de Administradores nos Formulários de Referência, e nada agrega ao debate. Se formos avaliar o comportamento de cada empresa no mercado e a aderência ao nosso Código de Melhores Práticas desconfio que todas elas deveriam sofrer algum tipo de advertência ou punição maior.

Essas empresas somam ao debate, é importante ouvi-las, dizem os que defendem a “misturada”. Ora bolas, tais empresas não participam de comissões ou dos fóruns de debates (medo de aparecer?) e, quando muito, mandam burocraticamente representantes nos congressos. A atuação, se acontece, se dá mais por iniciativa pessoal do que institucional. Quantas vezes já ouvimos “não é a posição oficial da empresa”....

Se realmente queremos ouvir a opinião dessas empresas, o melhor caminho é fomentar a filiação direta de seus administradores, quem sabe até oferecendo vantagem financeira para as empresas que filiassem 5 ou mais conselheiros, por exemplo.

Devemos voltar às origens, como um instituto somente de pessoas físicas.

Porque lugar de empresa é na ABRASCA !!! E como diria Caetano devemos “purificar o Subaé”.

Abraços a todos,

Renato Chaves

2 comentários:

  1. Meu caro Renato,
    Vc levanta um ponto sutil, porém da maior importância em relação à eterna dúvida entre contar com o suporte financeiro de qualquer instituição contrapondo a busca da transparência e das melhores práticas e intenções de seus membros.

    Sou a favor de aprofundar este debate.

    Ainda que este fórum pudesse não ser o mais apropriado para a liberdade poética dos trocadilhos, não resisti aproveitar o momento atual da nação para, na esteira de Caetano, parafraseá-lo: devemos "purificar a suruba, né?"
    Raul Cavallari, rcavallari@metagestao.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Raul,
      Um colega conselheiro certificado sugeriu, reservadamente, que o IBGC expulse as empresas que afrontam o seu Código de Melhores Práticas. Desconfio que se isso for feito não sobrará nenhuma empresa de capital aberto.

      Melhor não tê-las. E negociar a filiação dos conselheiros dessas empresas como pessoas físicas.

      Um forte abraço,
      Renato Chaves

      Excluir

Caro visitante, apesar da ferramenta de postagem permitir o perfil "comentário anônimo", o ideal é que seja feita a identificação pelo menos com o 1º nome. A postagem não é automática, pois é feita uma avaliação para evitar spams. Agradeço desde já a sua compreensão.