Boas-vindas

Caro visitante,
A proposta do Blog da Governança é estimular o livre debate em torno de tópicos atuais relacionados com o tema Governança Corporativa.
Fiel ao compromisso com a transparência, o espaço pretende também funcionar como um fórum de estímulo ao ativismo societário (ou ativismo participativo), com foco na regulação para as empresas de capital aberto.

22 de agosto de 2014

Cadê a diversidade, cara pálida? Cadê os negros? Cadê as mulheres?

Ao me deparar com a manchete da matéria “O que é preciso para formar um bom time”, na Revista Época Negócios de agosto/14, confesso que o meu pensamento viajou por um momento para General Severiano, sede do meu querido (e combalido) Botafogo. Saudade da diversidade criativa de um Seedorf.

Mas, ao me deparar com as fotos dos dez times campeões expostos na matéria, alguns de empresas de capital aberto, fiquei realmente chocado, pois entre os 73 profissionais não havia um único negro.

Não vou roubar o debate dos sociólogos, filósofos e antropólogos, se somos um país veladamente racista ou é somente uma questão sócio-econômica, mas o fato é que não tem sequer um mulato nesses times “campeões”.
Ok, como a chamada da matéria fala em diversidade de visão e de talentos, quem sabe as fotos não revelariam uma enxurrada de executivas? Negativo. Uma típica goleada alemã: somente 9 entre os 73 profissionais (menos de 15%!!!). Assim fica difícil eleger mulheres para conselhos de administração, visto que as empresas não “deixam” elas ocuparem cargos diretivos.

Conclusão: a diversidade de talentos no Brasil é aquela obtida pela mistura de engenheiros eletrônicos da Poli, com engenheiros aeronáuticos da ITA e um ou outro perdido da PUC. Tudo bem, tem um administrador da FEA-USP aqui e acolá. Nem diversidade de visual: somente um colega barbudo!!! Pelo menos a ridícula gravata está sendo lentamente abandonada – tive o trabalho de contar e temos 44 rebeldes revolucionários. Ousar lutar, ousar vencer. Só espero não seja “tipo” para a foto de grupo....

Como melhorar essa situação? Só mesmo criando o constrangimento, obrigando as empresas de capital aberto a divulgar no capítulo 14 dos Formulários de Referência o percentual de negros e mulheres em cargos gerenciais, para que o falso discurso da diversidade seja desmascarado.

No mais, fica a impressão que a única diversidade verdadeira é a geográfica: uns moram nos Jardins, outros no Morumbi.... Ninguém em Copacabana. Muito triste.

Abraços a todos,

Renato Chaves

2 comentários:

  1. Consuelo Tupam25/08/2014 11:15

    É só olhar pra Previ, meu caro Renatinho. Somente uma mulher e um negro, nos quadros gerenciais.
    Na diretoria, somente uma mulher.

    ResponderExcluir
  2. Excelente Renatão.

    Abraços

    Pacheco

    ResponderExcluir

Caro visitante, apesar da ferramenta de postagem permitir o perfil "comentário anônimo", o ideal é que seja feita a identificação pelo menos com o 1º nome. A postagem não é automática, pois é feita uma avaliação para evitar spams. Agradeço desde já a sua compreensão.