Boas-vindas

Caro visitante,
A proposta do Blog da Governança é estimular o livre debate em torno de tópicos atuais relacionados com o tema Governança Corporativa.
Fiel ao compromisso com a transparência, o espaço pretende também funcionar como um fórum de estímulo ao ativismo societário (ou ativismo participativo), com foco na regulação para as empresas de capital aberto.

11 de janeiro de 2014

Manipulação de taxas, lavagem de dinheiro e fraudes contra clientes: a ficha corrida de grandes bancos.

Barclays PLC, Citigroup Inc, Deutsche Bank AG, Goldman Sachs Group Inc, Morgan Stanley, Royal Bank of Scotland Group PLC e UBS AG. Todos investigados por manipular avaliações de ativos “podres” no período pós-crise (vide reportagem do Valor de 9/1: “Investigação federal mira bancos de Wall Street”). A investigação nos EUA ainda não terminou, mas o final esperado é mais um conjunto de acordinhos de alguns bilhões de dólares, dependendo do grau de safadeza de cada um. Acordinhos como aquele que comprou de volta a reputação do todo poderoso/ficha-limpa J.P.Morgan, por singelos US$ 13 bilhões de “multa”.

Não podemos esperar alguma punição verdadeira, pois nesses casos sempre prevalece a lógica de mercado: todos são grandes demais para quebrar.

Em tempo: como o tema corrupção ganha destaque nas manchetes de nossos jornais (com direito a nova Lei), vale a pena refletir sobre um acordinho assinado por uma empresa multinacional estrangeira cujo nome começa e termina com a letra A: pagamento de suborno, usando empresas de fachada, laranjas e contas secretas (notinha de canto de página no jornal Valor de 10/1). O montante parece acanhado – US$ 384 milhões – mais joga luz sobre o papel das instituições financeiras multinacionais, que viabilizam tais operações em paraísos fiscais. Depois não ainda reclamar de terrorismo, tráfico de drogas, etc. Tá tudo junto, "garrado" e misturado.

Quem não se lembra do empréstimo no Uruguai para um certo presidente da República (elle mesmo) e das operações financeiras de mentirinha de um certo banco mineiro, essas mais recentes ... Não tem jeito: tem que liquidar a instituição financeira e colocar CEO em cana, pois as multas não comovem banqueiros, nem confiscam iates.

E tudo continua como dantes no quartel de Abrantes. Vamos esperar a próxima leva de acordos que servem para recomprar a reputação, todos imorais.

Abraços a todos,

Renato Chaves

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro visitante, apesar da ferramenta de postagem permitir o perfil "comentário anônimo", o ideal é que seja feita a identificação pelo menos com o 1º nome. A postagem não é automática, pois é feita uma avaliação para evitar spams. Agradeço desde já a sua compreensão.