Boas-vindas

Caro visitante,
A proposta do Blog da Governança é estimular o livre debate em torno de tópicos atuais relacionados com o tema Governança Corporativa.
Fiel ao compromisso com a transparência, o espaço pretende também funcionar como um fórum de estímulo ao ativismo societário (ou ativismo participativo), com foco na regulação para as empresas de capital aberto.

17 de novembro de 2013

Está procurando um super presidente de conselho de administração?

Não precisa ligar para o Warren Buffett.... Uma leitura atenta do Anuário de Governança Corporativa da Revista Capital Aberto (dados de 2012 - link no final do Blog) nos revela que existem 6 “iluminados” nessa condição, a saber:

·                 Uma certa empresa que monopoliza o mercado de cerveja no Brasil pagou R$ 10,338 MM/ano;
·                 outra que produz ônibus com sede no sul desembolsou R$ 4,410 MM/ano;
·                 uma X da vida pingou R$ 3,112 MM/ano na conta do superconselheiro;
·                 uma dessas que é dona de shoppings centers e tem sede no Rrrrrio de Janeiro foi generosa e pagou R$ 2,080 MM/ano;
·                 uma empresa de seguros: R$ 7,821 MM/ano; e
·                 uma fabricante de carrocerias/peças automotivas também sulista (R$ 2,542 MM/ano).

Partindo do pressuposto que um conselheiro de administração está afastado da gestão e que, portanto, dedica somente parte do seu tempo à Cia., não vou entrar no mérito se o “iluminado” merece R$ 10 milhões/ano para atuar como conselheiro. A prática diz que a remuneração “normal” de um conselheiro de grande empresa (faturamento acima de R$ 1 bilhão/ano) é de R$ 18 mil/mês. Mas quando o conselho está “infestado” de conselheiros eleitos pelos controladores a remuneração pode chegar a R$ 50 mil/mês. Mas nunca chega a milhões por ano !!!

Causa estranheza o fato dessas empresas oferecerem remunerações “neymarianas” somente para os presidentes dos conselhos de administração, que coincidentemente são controladores ou eleitos por esses grupos. Afinal, o que podemos pensar dos subsubsubconselheiros, que receberam respectivamente R$ 335 mil (empresa de cerveja), R$ 1,174 MM (ônibus), R$ 70 mil (X), R$ 108 mil (shopping), R$ 54 mil (seguros) e R$ 188 mil (carrocerias) no ano? Dedicam pouco tempo aos conselhos? Contribuem pouco e por isso ganham uma remuneração simbólica quando comparada à remuneração dos “iluminados”? Será somente uma “verba paletó”, para sair bonitinho na foto do Relatório Anual?

Queridos leitores e investidores, isso não cheira a distribuição disfarçada de lucros?

Essa situação me faz lembrar o trecho do livro “Chatô – O Rei do Brasil”: “Mas eu fiz exatamente como me mandaram. Há um documento oficial lá com o caixa, não fiz nada sem contabilização”. Ao retornar à Tesouraria dos Associados o diretor encontra um pedacinho de papel onde estava escrito à lápis: “Levei tudo. Assinado, Assis Chateaubriand”.

É isso: tem gente passando no caixa das empresas e levando tudo, com a complacência dos investidores que lavam as mãos aprovando a verba global na assembléia anual.

Abraços a todos e uma boa semana,

Renato Chaves

2 comentários:

  1. Ola , Sr Renato . Meu nome é Antoninho e possuo 27 % das
    acoes de uma SA , fechada . gostaria de saber se acionista controlador
    ou não pertencente ao CA , poder votar na AG ? ou esta impedido de votar ?

    ResponderExcluir
  2. Prezado Antoninho,
    A lei garante voto nas assembleias, assim como o direito de eleger conselheiros. Como se trata se uma SA fechada não é possível acionar a CVM, só restando a via judicial. Aconselho conversar com um advogado que atue na com direito societário. Um abraço.

    ResponderExcluir

Caro visitante, apesar da ferramenta de postagem permitir o perfil "comentário anônimo", o ideal é que seja feita a identificação pelo menos com o 1º nome. A postagem não é automática, pois é feita uma avaliação para evitar spams. Agradeço desde já a sua compreensão.